quarta-feira, 31 de março de 2010

CASSAÇÃO DE PREFEITO

NÃO ESTÁ ESCAPANDO NINGUÉM.
Sem querer assustar ninguém nem deixar ninguém sobressaltado na Páscoa, quero informar que o TRE-RJ cassou mais um prefeito eleito no último pleito por irregularidades eleitorais. Agora foi Marquinho Mendes, de Cabo Frio, que além de tudo ainda ficou inelegível por tres anos. A acusação contra ele é abuso de poder econômico e político, conduta vedada a agente público, improbidade administrativa, uso da máquina administrativa e uso indevido dos meios de comunicação. Lembra algo, não?
Com isso, Marquinhos vai ter que deixar o cargo, mesmo que venha a interpor um agravo de instrumento, recurso que leva o processo a novo julgamento pelo colegiado do TRE-RJ.
Fonte: Correio de Notícias - Edição 289.

VIOLENCIA URBANA - DESMISTIFICANDO DOGMAS


Saiu o relatório VIOLENCIA 2010 - ANATOMIA DOS HOMICÍDIOS DO BRASIL, que mede a estatística de homicídios brasileiros por número de habitantes.

Das doze cidades que compõem o Médio Paraíba, temos a seguintes clasificação em relação as demais cidades fluminenses (por ordem de homicídios/per capta).

1. RIO CLARO (POSIÇÃO 33)

2. VOLTA REDONDA (POSIÇÃO 35)

3. RESENDE (POSIÇÃO 39)

4. BARRA MANSA (POSIÇÃO 46)
5. PIRAÍ (POSIÇÃO 52)
6. ITATIAIA (POSIÇÃO 53)
7. PORTO REAL (POSIÇÃO 61)
8. PINHEIRAL (POSIÇÃO 62)
9. VALENÇA (POSIÇÃO 65)
10. RIO DAS FLORES (POSIÇÃO 70)
11. BARRA DO PIRAÍ (POSIÇÃO 71)
12. QUATIS (POSIÇÃO 86)

Algumas Curiosidades pesquisadas por este humilde blogueiro:

a) O Rio de Janeiro (capital) apesar de toda a fama ocupa apenas a POSIÇÃO 31 no Estado.
b) O AB se orgulha de Barra Mansa não ter funk e por isso, afugentar a violencia, mas mesmo assim, Barra Mansa é a quarta cidade mais violenta do Médio Paraíba, acima diversas posições de cidades que realizam festas todos os finais de semana, como Quatis que está entre as seis cidades menos violentas de todo o Estado do Rio.
c) São José do Vale do Rio Preto é a cidade menos violenta do Estado.
d) Itaguaí é a cidade com maior índice de homicídios per capta do Estado, seguida de Macaé, Búzios, Rio das Ostras e Saquarema.
e) Juruna no Mato Grosso é a cidade mais violenta do país, seguida por Nova Tebas (PR), Tailandia (PA), Guaíra (PR) e Coronel Sapucaia (MS).
f) Maceió é a capital mais violenta do Brasil, seguida de Recife, Vitória, João Pessoa e Porto Velho.
g) Palmas é a capital com menor número de homicídios per capta do país, seguida de São Paulo (?????) e Florianópolis.

Creio que esse belíssimo trabalho do Instituto Sangari vai por em terra muitos mitos sobre a violencia no Brasil.




ROOSEVELT FICOU COM O CARROCEIRO, ZÉ RENATO NOS LIVROU DAS CARROÇAS.


SINCEROS PARABÉNS.

Tem gente que rotula nosso blog como blog oficial de oposição a Prefeitura de Barra Mansa. Grande erro. Talvez, se tiverem um mínimo de boa vontade, perceberão que esse blog tem sido um aliado do Governo. Ao invés de ficarmos ao lado do poder efetuando as bajulações de praxe e tapando os olhos dos administradores, temos com a valiosa ajuda de nossos visitantes e articuladores, alertado ao prefeito sobre a realidade das ruas, dos corredores, dos bares, das casas e das esquinas. Infelizmente, contra a nossa vontade, efetuamos muito mais críticas do que parabenizações, mas isso é o retrato da realidade barramansense. Só não vê quem não quer ou está cego pelo poder. Faço esse prenúncio porque vou efetuar um elogio sincero, autentico, real, curvado e admirado.
Depois de 40 anos de covardias, dissimulações, pieguices e hipocrisias, o prefeito ZÉ RENATO, expediu um DECRETO MUNICIPAL proibindo a circulação de carroças nas ruas centrais de Barra Mansa. De quebra, no mesmo decreto, estabeleceu horários e normas para os catadores de materiais recicláveis transitarem pela cidade. Amanhã começa a vigorar.

CORAJOSO, FIRME, AUTÊNTICO, SÉRIO, NECESSÁRIO, SALVAGUARDOR, são apenas alguns elogios que teço para tais medidas.

Parabéns Prefeito. Rogo-lhe que não se deixe sucumbir por uma legião de demagogos e pulsilânimes que certamente irão bater a sua porta reclamar de ato tão correto. Falarão em termos de justiça social, oportunidades, empregos, etc... TUDO BALELA. TUDO HIPOCRISIA.

Falo isso prefeito, porque ao final de meu mandato como Chefe de Fiscalização na Prefeitura pensei em adotar tal medida. Como faltava pouco tempo para o final do mandato e não vi apoio político, literalmente pipoquei. Acabei com os camelôs no Centro da cidade, mas pipoquei diante dos carroceiros, confesso. Por isso, entendo a grandiosidade do seu gesto e me solidarizo sinceramente. Muitos sentaram na sua cadeira e não tiveram peito para enfrentar esse problema, e você o teve. Muito Obrigado em nome de quem mora ou transita pelo Centro da Cidade, pois já não era a hora dessa providência exemplar.

O mais engraçado e curioso é que hoje o Pachá sai oficialmente da prefeitura para concorrer a eleição e a coisa já começa a melhorar. Mazarropi da Carroça, líder municipal dos Carroceiros acabou de sair do PT e declarar apoio ao Roosevelt. Será coincidência? Bons ventos permitam que não. Bons ventos permitam que o prefeito Zé Renato enxergue de vez a amplitude da oportunidade que está em suas mãos. Barra Mansa precisa se redimir perante seu povo e Zé Renato, se quiser, poderá fazer isso. Deixe os caricatos, o transito caótico, os estercos, os burros e as carroças para o Pachá, e nos dê, o futuro promissor que a gente tanto espera e merece. Tá na hora de Barra Mansa deixar de ser uma piada.

Boa Sorte e reiterados e sucessivos parabéns.

MÚSICA NAS ESCOLAS.


SONHAR NÃO CUSTA NADA.

Ontem Recebi uma visita agradável e inusitada em meu Gabinete. Trata-se do Controlador da Prefeitura de Barra Mansa, advogado, músico e maestro Vantoil de Souza Junior. Vantoil teve a paciência de aguardar a visita que eu estava recebendo do meu amigo Coronel Pm Kleber Freitas. Mas como todo mundo que mexe com música é provido de paciência e contemplação, com ele não foi diferente. Ao longo de uma hora conversamos sobre o projeto Música nas Escolas desenvolvido em Barra Mansa. Não serei inconveniente de abordar todos os tópicos de nossa produtiva conversa, mas destaco alguns momentos do depoimento de Vantoil sobre o projeto:

Palavras de Vantoil:
“Não recebo absolutamente nada para desenvolver esse projeto na prefeitura, apenas meu salário de Controlador me dá respaldo financeiro. O curso que fiz na Itália com o maestro Isaac Karabtchevsky, foi pago com meus próprios recursos, sem ajuda alguma por parte da PMBM”.
“O projeto Música nas escolas, não pertence a nenhum partido político ou a político algum. O concebi para Barra Mansa, independentemente de quem estivesse à frente do Governo Municipal.”
“Não sou filiado a nenhum partido político e não o serei. Não quero que o projeto Música nas escolas seja estigmatizado com conotações político-partidárias”.
“A ONG Construindo Sonhos é presidida pela esposa do Secretário de Desenvolvimento Rural, Claudio Meirelles, e é quem dá anteparo jurídico e financeiro ao projeto, recebendo da prefeitura a média de 313 mil reais mensais, num contrato de dois anos. Desse valor aproximadamente 15 mil são gastos em manutenção e o restante é para pagar vencimentos de 170 professores e monitores e mais 80 bolsistas, além dos encargos sociais. Todos contratados diretamente, sem concurso. O Tribunal de Contas já entendeu e aprovou tal demanda”.
“O valor dispendido para compra de instrumentos para o projeto é de fato, um pouco acima da média, pois optamos, por questões de economicidade a médio prazo, por comprar instrumentos de maior durabilidade e resistência do que comprar instrumentos mais baratos que poderiam se danificar em menor espaço de tempo. A vida útil dos materiais adquiridos justificam a sua aquisição por valores um pouco mais caros”.
“A opção por fazer parceria com uma ONG foi efetuada para que tivéssemos como evitar contratações por período determinado ou concurso público, o que geraria descontinuidade profissional e qualificada do projeto”.
“Ainda tenho esperança de fechar o ano fazendo uma exibição da Orquestra Sinfônica de Barra Mansa num teatro a ser inaugurado na cidade. Não importa aonde, o importante é tê-lo. O parque da cidade poderia perfeitamente abrigar um recinto deste porte”.
“Sonhamos com o patrocínio do Bradesco, pois na parceria no Natal da Lagoa, cremos que isto ficou possível. Tal apoio evitaria o gasto pela Prefeitura e nos permitiria buscarmos a excelência plena na Música Clássica.”

Conversamos mais, muito mais, e Vantoil concordou comigo em gênero, número e grau, quando apregôo que o projeto Música nas escolas precisa de anteparos periféricos. O entorno desse grandioso projeto é uma cidade que respire música, tenha opções culturais, tenha vida em abundância, tenha liberdade para juventude, tenha incentivo a todas as manifestações artísticas, não haja preconceito musical e que os estabelecimentos comerciais pares de sofrer perseguições quando executam música ao vivo. Entendemos ambos, que os milhares de jovens que estão desde tenra idade, aprendendo o gosto aprofundado pela música através do projeto Música nas escolas, vão precisar encontrar uma cidade culturalmente democrática e ativa, caso contrário, ou se rebelarão contra a própria sociedade, ou amargurarão traumas internos, ou desenvolverão aptidões em outros lugares ou optarão por não mais residir aqui. Entendemos tanto eu, quanto Vantoil, que o projeto Música nas escolas é maravilhoso, mas para seu êxito pleno, ele precisa de início, meio e fim. E com a política cultural insossa, sombria e elitista hoje desenvolvida, não chegaremos ao patamar desejado.
Fechamos nosso papo, com dois compromissos assumidos:
Eu, de divulgar e dar força ao projeto. Aceito de pronto.
Ele, de marchar junto conosco pela retomada de nossa vida sócio-cultural, com apoio aos músicos, apoio aos comerciantes, apoio aos empresários culturais, enfim lutando pela felicidade de nossa juventude. Ele topou e eu acredito nele.
Fim de papo.

Em tempo: Vantoil é Controlador da Prefeitura e eu da Câmara. Ele não é prefeito e eu não sou vereador. Apenas estamos próximos do Poder, e essa proximidade nos permite sonharmos com um mundo melhor, mas nossos cargos são técnicos e não executivos.
Seria muito bom que o prefeito Zé Renato rompesse com a ditadura do silencio absoluto que assola Barra Mansa e encampasse a nossa idéia.
Sonhar não custa nada. Além de música nas escolas, queremos música na alma.

terça-feira, 30 de março de 2010

LULA PAGA O MICO. DE NOVO.


A GENTE PAGA A CONTA. DE NOVO.

Em fevereiro de 2009, Lula foi até Sagüeiro, interior pernambucano, visitar as obras da ferrovia Transnordestina, e enalteceu a sua gestão e a forma privilegiada em que o Nordeste era tratado por si. Mencionou a transposição das águas do rio São Francisco e abertura de escolas. Disse que voaria para Brasília “orgulhoso” e “esperançoso”. Prometeu retornar brevemente: “Quando eu voltar aqui outra vez, a gente já vai ter feito mais um pedaço da rodovia [sic]”. Com o entusiasmo de Lula, o povo já ouvia até o apito da locomotiva: “Quando eu voltar aqui depois de 2010, eu já vou poder dar uma volta no trem, que vai passar por aqui apitando [...]”. Em janeiro desse ano, de passagem por Paulista, outra cidade pernambucana, Lula marcara o mês de sua volta a Salgueiro: março.
Lula dissera que inauguraria na cidade a “maior fábrica de dormentes do mundo”. Entregaria também uma fábrica de brita. Babou. Marcada para hoje (30/03), a viagem de Lula a Salgueiro teve de ser cancelada. As fábricas que o presidente planejara inaugurar não ficaram prontas. Apito de trem? Nem de juiz de futebol. Dilmaquete acompanharia Lula. Seria a última aparição dela num palanque antes de deixar a chefia da Casa Civil para abraçar a campanha.
No ratro mentiroso do anúncio do PAC 2, nada parecia mais conveniente do que a visita à Transnordestina. Uma obra do PAC 1, assentada no Estado natal de Lula, onde sua aprovação beira a unanimidade. Até o final da tarde desta segunda, a Secretaria de Comunicação da Presidência ainda mantinha no seu site um aviso relacionado à viagem.
O texto fornecia detalhes sobre a entrega de credenciais aos repórteres interessados em testemunhar as inaugurações de Salgueiro. Àquela altura, porém, já havia sido deflagrada a desmontagem do circo montado na cidade para recepcionar o cabo-eleitoral e a candidata. Para não fornecer munição à oposição, Lula pipocou. A primeira vítima do cancelamento foi a rede hoteleira local, que já superfaturava as diárias. Repórteres que já haviam percorrido os 520 quilômetros que separam Recife de Salgueiro viram-se obrigados a retornar.Entre eles 13 profissionais da estatal Empresa Brasil de Comunicação. Emissoras de rádio que haviam recebido a promessa de uma entrevista com Lula deram meia-volta.
O vaivém do “inaugura-não-inaugura-mais” impôs um custo à Nação, cujo valor não foi divulgado. Como ocorre em todos os deslocamentos do presidente, o Planalto mobilizara o seu aparato de viagens. Agentes do Gabinete de Segurança Institucional e do cerimonial da Presidência encontravam-se desde a semana passada por conta da gente. Prepararam, nos mínimos detalhes, a viagem que não ocorreu. Um contribuinte mais revoltado poderia perguntar: quem vai restituir esses gastos? Ninguém, caro amigo. É apenas mais uma para a nossa conta.

CONCURSO PÚBLICO - BARRA MANSA


A PALHAÇADA VAI PARAR NA JUSTIÇA. QUEM NÃO SABIA?

Recebi um e-mail do seguidor de nosso blog, o amigo André Moreira, que inicia brilhantemente no ramo do Direito, já tendo sido aprovado de imediato na prova da OAB.
André me encaminha duas decisões da justiça brasileiira, nos Estados de Minas Gerais e Rio Grande do Norte, anulando a pontuação similar da prova de títulos com a prova de conhecimentos em consursos públicos. Tal prática foi adotada no concurso público da Prefeitura de Barra Mansa para todas as vagas que requeriam graduação em terceiro grau e para a Guarda Municipal. André se diz decidido a entrar com mandado de segurança caso fique dentro dos classificados e perca a vaga na prova de títulos. Ele nos solicita para divulgar tais jurisprudências, pois num concurso público deve-se privilegiar o conhecimento, e não a prova de títulos, que via de regra, são classificatórias e não eliminatórias.
Quem desejar similar das súmlas dos tribunais ou deseja assessoria jurídica em relação ao concurso público promovido pela PMBM e a BIO RIO CONCURSOS, pode entrar em contato com o André, através dos seguintes contatos:

CELULAR: (24) 98181521
Skype: AMoreira86

Eu sei que é exatamente isso que eles querem, mas não posso omitir tais informações.
O Concurso foi realizado no último dia de apresentação do CIRCO em Barra Mansa.
Não foi coincidência.

É FUNDO....


OVOS ACHADOS NO FUNDO DO QUINTAL.

Mais uma atração confirmada no Festival Cultura para todos em Volta Redonda. Para quem gosta de bom samba, é a pedida: FUNDO DE QUINTAL.

Ontem, o prefeito Neto me falou da sua felicidade com o projeto TOCA DO COELHO. Só no primeiro dia do evento, mais de dez mil crianças foram pintadas, tiram fotos como coelhinho, ganharam a foto num porta-retrato, ganharam dois ovos de pácoa e um brinquedinho de lembrança. Toda muvuca num ambiente climatizado, onde o calor não foi sentido pela criançada. O projeto se estende ate domingo e Neto garante que vai atender todo mundo.

Enquanto isso em .....voces sabem...., deixa pra lá, é semana Santa.

Lá tem TOCA DO COELHO E FUNDO DE QUINTAL.
Naquele outro lugar, onde Judas vai acabar perdendo as botas, tem TOCA DO LEÃO E FUNDO DO POÇO.

PARABÉNS PRA VOCÊ.

ACIMA DO BEM.
Não sei se já contei essa história, mas de qualquer forma, me faz bem lembra-la. Em 1989, com sete anos de BANERJ, a Instituição já dava os primeiros sinais de dissolução e não sentia muita motivação para continuar no Banco. Foi quando Ismael de Souza assumiu a prefeitura e me convidou para assumir a Diretoria Administrativa do SAAE-Barra Mansa. Pedi uma licença sem vencimentos do Banco e encarei o desafio, que foi de fato dantesco. Não conhecia o meu antecessor a não ser por comentários. Ele além de perder o cargo, ainda sofreu uma série de dissabores através de alguns de seus ex-colegas, entre os quais, alguns importantes ocupantes da atual administração municipal. A vida de meu antecessor passou por um profundo revés e creio que até hoje ele guarda algumas marcas.
Depois dos quatro anos de Ismael, não quis retornar ao Banco e parti para a iniciativa privada. Tudo ia bem, até que por algumas fatalidades instantâneas, o mundo desabou sobre minha cabeça e perdi o pouco que tinha. Já mencionei diversas vezes as dificuldades que minha família passou por alguns anos, até que um belo dia, um homem me deu a mão e a chance para que eu pudesse retomar a minha dignidade e mostrar o meu valor. Quis o destino que esse mesmo homem fosse aquele de quem ocupei o lugar no SAAE. Repito sempre que poucas pessoas no mundo teriam este gesto de altivez e generosidade. Esse homem aniversaria hoje, e a ele mais uma vez rendo minhas homenagens e meus eternos agradecimentos.
Parabéns Ademir Melo, e muito grato a Deus por tê-lo colocado na minha vida.
Apesar das pessoas confundirem gratidão com subserviência, e nosso relacionamento hoje ser pautado por total independência, a amizade que construímos estará sempre acima de picuinhas políticas e pretensões pessoais. Foi assim que solidificamos um relacionamento, e foi assim que te tenho como um irmão que Deus na sua magnitude me permitiu escolher.
Que um dia, seus sonhos se realizem, pois poucos sabem como eu, que a realização de seus sonhos, é a felicidade de todos, sem exceção, sem preconceitos, muito acima do mal, e até acima do bem.

THIEGO PHILLIPE SIMÕES FIALHO ESTEVES


ACABARAM-SE AS CRIANÇAS.

Hoje meu filho caçula, Thiego Phillipe faz 21 anos. Dessa forma, a partir de hoje, oficialmente, perante a legislação brasileira, não tenho mais crianças ou adolescentes sobre meu domínio familiar.
Não sei se isso o faz ficar mais velho ou a mim, mas de qualquer forma, é uma marco nas nossas vidas. Não sei se o exemplo dados nesses vinte e um anos de convivência e amizade tenham serventia para o futuro. Ainda hoje questiono a dificuldade que os pais tem para dar exemplos para seus filhos no mundo de hoje. As referências são confusas e a gente fica meio perdido entre ensinar probidade ou sobrevivência, pois chega num ponto no mundo moderno que tais objetivos tornam-se por vezes antagônicos.
Mas acho que uma coisa ele herdou e vai carregar consigo por toda a sua jornada: a intensidade. Quero, meu filho, que tenhas paixão em todos os atos, maturidade quando cercar-se de rebeldias e criancice quando a rabugice rodear a sua jornada. São nesses conflitos que a gente vai construindo uma estrada diferente, particular, íntima, polêmica, mas intensa. E o que é a vida sem intensidade? Uma sucessão de atos burocráticos que nos fazem chegar a lugar algum e enchem nosso peito de vazios aparentemente inexplicáveis e deixa o coração num banho-maria que o faz envelhecer sem latejar. A vida intensa é mais difícil, porém mais prazerosa.
Se Deus nos colocou aqui para viver, quanto mais vivemos mais nos aproximamos dele, e próximos a ele, mal nenhum se perpetua nem nos enfraquece. E é com Ele que quero que continues caminhando. E com sua meiguice sensata que quero que persigas a felicidade. É com sua humildade latente que quero que prossigas a nos encher de orgulho e carinho.
Em ti coloquei um peso, o de carregar meus dois sobrenomes para que eles não pereçam nos cartórios da vida, e espero que lá na frente, no entardecer da sua história, você olhe para trás e sinta no peito o amor daquele que sempre te teve como muito mais do que um filho a quem Deus confiou, mas como um amigo eterno que eu escolhi.
O mundo é seu. A partir de hoje, mais do que nunca.
Aprecie sem moderação.
Um beijo.
Te amo.

segunda-feira, 29 de março de 2010

NOVA ENQUETE - NAS ONDAS DO RÁDIO.


RÁDIO. QUEM É QUEM?

O colunista Claudio Alcantara no seu site, está com uma enquete que pergunta qual o melhor programa de rádio da região. Pegando carona no blog bombado do articulista, queremos saber quem são os radialistas que merecem credibilidade na região sul fluminense. E essa será uma nova enquete que começaremos daqui a pouco.

Sara Lee, Sebastião Alves, Peninha, Claudia Moura, Everaldo Vevê, Joaquim Leite, Dario Azevedo, Henrique Barbosa, Compadre Nenê, Régis de Oliveira, Luciana Alves, José Luiz Dias, José Luiz de Barros, Mariangela leal, Claudinho Chiesse, Uiara Araujo, Tico Balanço, Paulinho Café no Bule, José Roberto Mendonça, Dario de Paula e J. Farat.
São esses os candidatos.
E VOCE PODE ESCOLHER QUANTOS QUISER.

Fiquem a vontade.

DILMISSÃO - DOUBLE DOSE DE MENTIRA.




PAC 2 - A MENTIRA PERPETUADA - A MISSÃO.

Lula lança hoje o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2. Deve ser caso único na história em que uma nova ação é anunciada sem que a anterior mal tenha começado: até agora, o PAC lançado há três anos e dois meses só completou 11% das obras previstas.
Há um lado revelador no evento de hoje: ele escancara com todas as cores, pingos e is, que as ações da gestão petista focarem unicamente o marketing e os objetivos eleitorais. Realizá-las e, com elas, beneficiar a população, é algo de nenhuma importância para Lula-Dilmatreira.
O PAC foi uma grande jogada da equipe de propaganda petista. Embrulha numa marca de fantasia um monte de obra que já existia; junta outro tanto que o setor privado já programara fazer; adiciona verbas liberadas para empréstimos que terão de ser pagos por seus devedores; e é temperado com uma boa dose de contabilidade e criatividade. Tudo adicionado, oferece-se ao distinto público vistosas somas de investimentos, num tom do “Brasil Grande”, igualzinho ao regime militar do “Ame-o ou Deixe-o” do ditador Médici.
Entre a embalagem e que tem dentro do potinho vai uma distância infinita. O ritmo das obras é sofrível; o descuido com procedimentos prudentes perante a legislação ambiental é notório; a manipulação eleitoral é gritante, com “inaugurações” feitas em meio a barro e que a mais barro retornam horas depois. Vejamos isso em números:
Dos 12.163 empreendimentos do PAC 1, apenas 1.378 foram concluídos (10,7%), de acordo com levantamento da ONG Contas Abertas. Além disso, mais da metade (54%) das ações listadas nem mesmo saíram do papel. (Estamos falando de um governo que governa há sete anos e três meses e de um programa que existe há três anos e dois meses!).
Mas a falta de resultados reais não impede que Lula e Dilmalversadora viajem pelo Brasil para “inaugurar” empreendimentos que voltarão em questão de horas, a ser canteiros de obras lentas. De 22 obras entregues pelo presidente e pela candidata oficial desde outubro, 13 (60%) não funcionam. Em um dos casos, a barragem inaugurada em Jenipapo de Minas (MG) não tem licença ambiental nem prazo para entrar em operação.
Há artimanhas de todos os tipos, para todos os gostos. O repertório também inclui inaugurar obras que não tiveram um centavo investido pelo governo federal. Os exemplos vão do Hospital da Mulher de São João de Meriti (RJ) a um posto de saúde bancado exclusivamente pela prefeitura de Juiz de Fora e pelo governo de Minas – ambos dp PSDB.
A sacanagem vai mais longe e afronta a lei. Lula e Dilmacaquice não se furtaram a inaugurar obras consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas da União, como foi o caso da Refinaria Presidente Getúlio Vargas, em Araucária (PR), há duas semanas. Ou a “inaugurar” repetidamente obras que ainda nada são, como o Complexo Petroquímico do Rio, três vezes visitado pelo presidente e sua candidata-ministra, e igualmente condenado pelo TCU.
O problema do PAC 1 não é apenas o atraso ou a inexistência das obras. A forma como o programa se apresenta é incrível e deliberadamente enganosa. Dá-se a entender que esforços de municípios, estados, empresas particulares, investidores estrangeiros e mesmo cidadãos, sejam méritos exclusivos do governo federal. Na linguagem popular, trata-se da velha cortesia com chapéu alheio. Gozar com a p... alheia, numa linguagem mais chula.
A participação efetiva do governo federal é irrisória. De todo o conjunto de ações do PAC, estimados em R$ 643 bilhões pelo governo, coube à União desembolsar até agora apenas R$ 27,2 bilhões, de acordo com o Siafi. Isso equivale a 4,2% do anunciado pela propaganda. De novo, é importante repetir: tudo isso, passados três anos e dois meses de existência do programa “eleitoral”.
Com tantas maracutiaias, o PAC revela-se tão artificial quanto a candidata que dele se vale para tentar perpetuar-se no poder. O PT optou pela empulhação, como, mais uma vez, se verá na tarde de hoje, no lançamento do PAC 2.
Papel aceita tudo. O eleitor, espero que não.

TENDE PIEDADE.


MORRE UM POUCO A POESIA.

Um dia, pediram para que eu escrevesse uma coluna jornalística. Solicitaram também que eu usasse um pseudônimo para que as pessoas não soubessem de onde viriam tantas informações privilegiadas. Tipo a Gabi, mais ou menos, só que era num jornal. Escolher um apelido não é tarefa muito fácil, principalmente para quem já recebeu toda a sorte de apelidos. Alguns elogiosos, mas a maioria jocosos, tais como Marta Rocha, Vanusa, Zé Bonitinho e por aí afora. Nunca me preocupei com apelidos, pois sempre fui muito bem resolvido nas minhas convicções e preferências pessoais, mas a questão era outra, eu tinha que arrumar um pseudônimo profissional. Existia uma pessoa que sabia tirar leite de pedra e poesia do cotidiano. Essa pessoa conseguia enxergar beleza e does nas coisas mais simples de nossas vidas. Do futebol então, ele tirava lições de vida e versos inspiradores. Se auto intitulava o Marques de Xapuri. Em homenagem a ele, escolhi também um título monárquico, e como antigamente o valete do baralho, era chamado de Conde, e como aficcionado pela mágica das cartas, não tive dúvida: Conde seria o primeiro nome de meu pseudônimo. O homenageado, milhares de quilômetros-luz a minha frente em todos os requisitos literários e pessoais, especialmente na elegância das palavras, faleceu hoje pela manhã, e com ele morre um pouco do que sobrou de minha parca poesia. Perdemos o último poeta da imprensa esportiva. Sobrou-nos Miltons Neves e Netos da vida. Um pouco de castigo divino, e Deus misericordioso, deve ter-nos em má conta ultimamente.
Vá em paz, mestre Armando Nogueira, e ao lado Dele, interceda por nós...

PELO SIM, PELO NÃO, CALDO DE GALINHA E PRECAUÇÃO.


Há algo estranho no ar.
Ontem foi realizada a prova para o concurso da prefeitura municipal de Barra Mansa. O vereador Marcelo Borges recebeu dezenas de denúncias de que a Prefeitura emitiu diversos “certificados” de experiência profissional para alguns privilegiados estagiários e contratados da prefeitura que valeriam para a prova de títulos que tem peso igual a prova objetiva, e como as perguntas formuladas no concurso teriam sido extremamente fáceis, esse item seria o decisivo no resultado final. Segundo consta, a Prefeitura chegou a levar esses certificados diretamente para a residência de alguns. Quero esclarecer, que a prova de títulos, segundo o edital, só é concebível para os cargos de Professor II, Nível Superior e Guarda Municipal, o que eliminaria a vantagens para os estagiários. Além do mais, segundo o edital no sub-item 8.2.9.16, “Não será aceito como experiência profissional o tempo de residência médica, de estágio, de bolsa de estudo ou de monitoria”.
Mas pelo sim pelo não, é bom todos ficarmos atentos.

PARABÉNS.


PAULO COSENZA.

Boa semana, gente.
Hoje, antes de mais nada, rendemos nossas sinceras homenagens ao Diretor do Fórum da Comarca de Barra Mansa, Juiz, Dr. Paulo José Bastos Cosenza, que aniversaria nesta data. Paulo, a quem tenho a honra de poder chamar de amigo, é uma das bênçãos de nossa cidade, por sua conduta ilibada, seu senso público, seu dinamismo e seu amor por nossa cidade e nossa região. Além até dos incontáveis feitos que Dr. Paulo tem enumerados em sua vitoriosa carreira no ramo da justiça, ele também é o maior responsável por Barra Mansa ter ganho um dos mais modernos complexos arquitetônicos de justiça, o Fórum Desembargador Ary Fontenelle, fruto de sua luta e concepção. Da mesma forma o Poder Legislativo da cidade lhe é grato, pois se hoje a Câmara Municipal dispõe de confortáveis e amplas instalações, isso deve-se ao Dr. Paulo, e por conseguinte o Poder Executivo também lhe é grato, pois a nova sede da biblioteca municipal, no Palácio Barão de Guapy, também é fruto do pioneirismo e da luta pessoal de Paulo Cosenza. Infelizmente, esse úulimo prédio encontra-se quase em ruínas, mas isso é outra história. Por essas e outras que Paulo é detentor da Medalha de Mérito Barão de Guapy, galardão que pouquíssimos tiveram a honra de merecer. Só nos resta então, reiterarmos os nossos parabéns e desejar-lhe mais muitas vitórias em sua vida pessoal e profissional.

sexta-feira, 26 de março de 2010

POUCO AMOR ME BASTA.


INDIVÍDUOS.

Baseado numa crônica de Rubem Alves, enviada pelo amigo Ricardo Rosas, essa será a nossa mensagem tradicional de final de semana:

Essa semana foi atípica para mim e para o blog. Resolvi, após devidamente provocado, contar a origem maior do meu ressentimento para com o ex-prefeito Roosevelt Brasil. Sabia que seria alvo de críticas acaloradas e as costumeiras ofensas enviadas pelos anônimos covardes e outros que utilizam de nomes fictícios para enfeitar uma suposta credibilidade. Recusei a postagem de alguns comentários belicosos, ofensivos e chulos. Não faria bem para mim nem para leitor algum a publicação. Enfatizei, e me permitam dizer, a coragem de lavar a roupa de janelas abertas.

"Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece", observou Nietzsche. É o meu caso. Muitos pensamentos meus, eu guardei em segredo. Por medo. Alberto Camus, leitor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora em que a coragem chega: "Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos". Tardiamente. Como me considero no entardecer da vida, ganhei coragem.
Vou dizer aquilo sobre o que me calei: "O povo unido jamais será vencido", é disso que eu tenho medo. Em tempos passados, invocava-se o nome de Deus como fundamento da ordem política. Mas Deus foi exilado e o "povo" tomou o seu lugar: A democracia é o governo do povo. o fato é que a vontade do povo, além de não ser confiável, é de uma imensa mediocridade. Basta ver os programas de TV que o povo prefere.
A Teologia da Libertação sacralizou o povo como instrumento de libertação histórica. Nada mais distante dos textos bíblicos. Na Bíblia, o povo e Deus andam sempre em direções opostas. Bastou que Moisés, líder, se distraísse na montanha para que o povo, na planície, se entregasse à adoração de um bezerro de ouro. Voltando das alturas, Moisés ficou tão furioso que quebrou as tábuas com os Dez Mandamentos.
E a história do profeta Oséias, homem apaixonado! Seu coração se derretia ao contemplar o rosto da mulher que amava! Mas ela tinha outras idéias. Amava a prostituição. Pulava de amante e amante enquanto o amor de Oséias pulava de perdão a perdão. Até que ela o abandonou. Passado muito tempo, Oséias perambulava solitáriopelo mercado de escravos. E o que foi que viu? Viu a sua amada sendo vendida como escrava. Oséias não teve dúvidas. Comprou-a e disse: "Agora você será minha para sempre". Pois o profeta transformou a sua desdita amorosa numa parábola do amor de Deus. Deus era o amante apaixonado. O povo era a prostituta. Ele amava a prostituta, mas sabia que ela não era confiável. O povo preferia os falsos profetas aos verdadeiros, porque os falsos profetas lhe contavam mentiras. As mentiras são doces; a verdade é amarga. Por isso compreendo a idolatria que muitos tem pelo Lula, a tolerância que muitos tem pelo Roosevelt e os questionamentos que são dirigidos a mim. Eu gosto da verdade, e na maioria das vezes, a verdade é inconveniente.
Os políticos romanos sabiam que o povo se enrola com pão e circo. No tempo dos romanos, o circo eram os cristãos sendo devorados pelos leões. E como o povo gostava de ver o sangue e ouvir os gritos! As coisas mudaram. Os cristãos, de comida para os leões, se transformaram em donos do circo. Alguns de Barra Mansa, na sua desesperança, gostariam que me lançasse aos leões famintos. Um dia me lancei, e só Deus sabe a força que fiz para sobreviver. O povo é um dono de circo cruel.
Mas uma das características do povo é a facilidade com que ele é enganado. O povo é movido pelo poder das imagens e não pelo poder da razão. Quem decide as eleições e a democracia são os produtores de imagens. Os votos, nas eleições, dizem quem é o artista que produz as imagens mais sedutoras. O povo não pensa. Somente os indivíduos pensam. Mas o povo detesta os indivíduos que se recusam a ser assimilados à coletividade. Uma coisa é a massa de manobra sobre a qual os espertos trabalham. Eu optei por ser um indivíduo, e isso provoca ira no povo.
Nem Freud, nem Nietzsche e nem Jesus Cristo confiavam no povo. Jesus foi crucificado pelo voto popular, que elegeu Barrabás. O mesmo povo que elegeu Lula, o mesmo povo que elegeu Roosevelt, e por isso jamais me candidatei, pois esse mesmo povo não me elegeria. Tenho vários gostos que não são populares. Alguns já me acusaram de gostos aristocráticos. Mas, que posso fazer? Gosto de boa MPB, de um bom jazz, de um bom filme, de um bom vinho, de um bom whisky, de um bom show, de uma boa viagem, de um bom sexo. Não gosto de funk, de música sertaneja, de rebolation, de BBB, de cachaça, de Faustão, de Orkut, de drogas, de homossexualidade, de forró. Tenho medo de que, num eventual triunfo do gosto do povo, eu venha a ser obrigado a queimar os meus gostos e a engolir sapos e a brincar de "boca-de-forno", à semelhança do que aconteceu na China.
De vez em quando, raramente, o povo fica bonito. Mas, para que esse acontecimento raro aconteça, é preciso que um poeta entoe uma canção e o povo escute: "Caminhando e cantando e seguindo a canção.", Isso é tarefa para os artistas e educadores. O povo que amo não é uma realidade, é uma esperança. Eu ainda tenho esperança.
Um bom final de semana com muita paz no coração e muito amor na cama.
Hoje, logo mais estaremos no Celebrare com a patroa de muletas. Três, duas nas pernas e uma no coração, eu.
Apesar de todos os meus defeitos e imperfeições, existem poucos indivíduos que me amam, e isso me basta.
Um beijo em todos, assim mesmo.

PIGMENTOS NATURAIS, QUE MARAVILHA.


Olhem que beleza de notícia foi veiculada no site do Diário do Vale nesta tarde:

Professores participam de mesa redonda.

Dentro do projeto "Encontros com a Arte", a prefeitura de Barra Mansa, em parceria com o Centro de Cultura Fazenda da Posse, promove neste sábado (27), às 15h, uma mesa redonda para os professores com o tema "Pesquisa com pigmentos naturais".
O evento faz parte da exposição "Oxidações, Pigmentações e Cerâmicas", do artista plástico Antônio Geraldo. A mostra segue até o dia 11 de abril na Fazenda da Posse, no Centro e reúne cerca de 15 pinturas e diversas peças de cerâmica.

Pronto, está resolvido o problema dos professores de Barra Mansa. Esqueçam salários dignos, metodologias eficientes, sistemas de ensino adequados a nossa realidade, planos de carreira justos e transparentes, aprimorações profissionais, novas tecnologias, água nos colégios, merendas decentes, etc.. pois o importante são os pigmentos naturais.

Viu gente? Eles não falaram que esse ano seria diferente? Então? Taí, cambada de ansiosos e injustos...Pigmentos nos olhos dos outros é refresco. Ainda mais sendo naturais, tá bom?

NOTA DE ESCLARECIMENTO


NOTA DE ESCLARECIMENTO.

Ontem recebi em meu gabinete a visita do deputado Ademir Melo. Há muito não conversávamos. Ele me fez um relato intrigante.
Disse que foi convidado para uma reunião com empresários e amigos de Barra Mansa, e sem saber a pauta da reunião, aceitou o convite. Ao chegar lá, uma plêiade de bem-sucedidos repudiaram a ação que Ademir teria movido contra o escândalo de lavagem de dinheiro envolvendo a Prefeitura de Barra Mansa, a Febam, o Clube do Recanto e o Barra Mansa Futebol Clube. Ademir, atônito, disse não ter absolutamente nada a ver com o assunto. E não tem.
Pessoas acostumadas com as práticas da “turma do bem” onde existem caciques e subordinados, teimam em vincular minhas ações com as de Ademir. Repito categoricamente, mais uma vez: Não sou subordinado de Ademir, não respondo por ele e ele não responde por mim. Somos amigos, mas independentes. Ele é Deputado pelo PSDB, eu sou Presidente municipal do PSC, portanto nem no mesmo partido somos filiados. A nossa relação é de amizade e saibam que sou um dos mais fervorosos críticos políticos do Ademir. Aplaudo muito de seus atos em especial as suas ações de solidariedade e investimento social, mas questiono algumas posições e convivemos bem e nos respeitamos. Se dependesse da vontade dele, não mexeríamos nesse vespeiro para que não houvesse risco de prejuízo para o Barra Mansa Futebol Clube, mas reitero minha opinião: A cidade de Barra Mansa é muito mais importante que o time do Barra Mansa, que é de uma entidade privada que de vínculo oficial com a cidade, só carrega a coincidência do nome, nada mais.
Se hoje, pessoas estão tendo bens confiscados pela Justiça em atenção ao Inquérito Administrativo 23/2010 do MP, que apura a lavagem denunciada com farto arsenal de provas, não é culpa minha, mas sim da omissão ou conivência em compactuar com esse tremendo “batom na cueca”.
Não queiram transformar vilões em vítimas e vítimas em malfeitores, só porque os supostos envolvidos possuem fartas condições financeiras. A justiça é para todos e não só para os afortunados.
Antes de oferecermos a denúncia ao Ministério Público, acenamos dezenas de vezes com nosso desejo de esclarecimento e ninguém nos deu ouvidos ou atenção. Procuramos todas as formas para que os inocentes não tivessem seus nomes envolvidos, mas a empáfia do setor jurídico da Prefeitura sempre desprezou a gravidade das informações e documentos em nossas mãos e deu de ombros para nossos aclames de transparência.
Nunca, jamais, nosso alvo foi atingir diretores ou membros do Barra Mansa Futebol Clube ou do Clube do Recanto, local onde passei agradáveis momentos e edifiquei amizades eternas, mas repito, a cidade e suas finanças já muito combalidas, não podem arcar com caprichos de ninguém mesmo sendo pessoas de destaque no nosso meio sócio-empresarial.
Não tardará para que nossas outras denúncias, também desprezadas, venham a causar transtornos, mas a gente fala, fala, fala, e eles fazem ouvido de mercador. Depois se entendam com a justiça, mas não é de nosso agrado tal caminho, porque sempre existem inocentes que acabam passando por constrangimentos desnecessários, causados pela arrogância dos administradores que teimam em atropelar as dúvidas da população com seu silencio pretensioso e supostamente superior.
Estamos clamando por esclarecimentos sobre a desapropriação de um imóvel para ser doado a multinacional, que segundo consta, tem como representante jurídico o próprio Procurador da Prefeitura.
Estamos clamando por esclarecimentos sobre os mais de 7 milhões de reais conveniados com a ONG presidida pela ex-primeira dama.
Estamos clamando providências sobre o assédio sexual que estagiárias e funcionárias sofrem de um determinado e importante secretário municipal.
Estamos clamando por informações sobre a suspeita de que determinado secretário estaria fazendo triangulação de influencias para sua empresa pessoal.
Estamos clamando por esclarecimentos sobre o sorteio de Natal da CDL, que com apoio da prefeitura conseguiu a magia de contar com todos os treze contemplados no ato do sorteio, onde haviam quase 200 mil cupons concorrendo.
Estamos clamando pela manutenção e recuperação do Palácio Barão de Guapy, que a qualquer hora pode cair face aos cupins que correm as pesadas madeiras de sustentação da estrutura.
Estamos clamando por informações a respeito da contratação da BIO-RIO CONCURSOS para realizar o concurso público de Barra Mansa, sem notória especialização e sem processo licitatório.
Estamos clamando por informações sobre os pagamentos efetuados para a IVINS empresarial, empresa condenada pelo MP e pelo TCE, por intermediação ilegal dos royalties do Petrobonus.
Estamos clamando sobre informações a respeito sobre o aumento interno nas tarifas de água, efetuados na calada da noite numa reunião de “compadres”.
Estamos clamando por informações obre o desperdício de erário com terceirizadas na educação.
Estamos clamando por informações a respeito da aplicabilidade da metodologia do Sistema COC em nossa cidade.
Estamos clamando por informações a respeito da falta de médicos, remédios e leitos na Santa Casa de Misericórdia.
Estamos clamando por informações a respeito da situação funcional do Ex-Prefeito e da mega-estrutura que foi montada com o dinheiro do contribuinte para ele manter um escritório eminentemente político-eleitoral.
Estamos clamando por informações a respeito da carga horária de certas diretoras escolares que encavalam matrículas.
Estamos clamando por informações que levem a justificativa de Barra Mansa ter uma das tarifas de transporte coletivo mais caras do país.
Estamos clamando por informações sobre as formas de locação das barracas nas festas públicas, que segundo denuncias, geram receitas extra-orçamentárias.
Estamos clamando por retratação da maior mentira pública do estado do Rio de Janeiro, onde a Prefeitura de Barra Mansa, através de sua propaganda ofensiva com a cidade vizinha, tem a insensatez de divulgar que o IPTU de Barra Mansa é o mais barato do Brasil, quando na verdade é um dos mais caros do estado do Rio.
São tantas outras dúvidas que temos, que não cabem aqui, e quando os senhores que se auto-intitulam do “bem”, e gozam de privilegiados cargos na administração municipal, se reportam ao nosso blog, não oferecem nenhum esclarecimento plausível, apenas apresentam dados aleatórios, acusações infundadas, retaliações pessoais, rótulos repetitivos, chavões vazios e desculpas esfarrapadas.
Aí, se em breve futuro, pipocarem mais inquéritos investigativos através dos mecanismos da justiça e possíveis inocentes passarem por dissabores, não venham nos condenar ou nos antipatizar perante a sociedade, pois há muito, só estamos querendo os justos esclarecimentos, que nos estão sendo peremptoriamente, negados.

EMPRESÁRIOS NA CAMA, USUÁRIOS NA LAMA.


AGORA CHORA.

Na campanha eleitoral em Barra Mansa, o então candidato Ademir Melo apresentou em seu programa de governo a proposta da tarifa social em transportes coletivos de apenas UM real. A situação e demais adversários foram extremamente jocosos em relação a proposta de Ademir, que não era nem ao menos original, era apenas uma adequação ao programa estabelecido em Cabo Frio pelo prefeito Marquinhos Mendes, que num ato de solidariedade partidária ao seu correligionário (PSDB), ofereceu-se para implantar o mesmo método em Barra Mansa. A população preferiu dar ouvidos aos céticos, patrocinados pelas empresas de transportes coletivos que exploram o povo de Barra Mansa e hoje gozam de uma das tarifas mais caras do país, senão a mais cara. Hoje constatamos que Piraí conseguiu implantar a tarifa de um real no transporte coletivo e vejo no jornal “A Voz da Cidade” vários cidadãos de Barra Mansa, Volta Redonda, Itatiaia e Resende, tecerem júbilos eufóricos pela medida e lamentando que os administradores de suas cidades não tenham capacidade de fazer o mesmo. Bem, Barra Mansa teve a oportunidade. Declinou. Lamentem-se e continuem colaborando para a construção da fortuna dos empresários das concessionárias de transporte coletivo. Afinal, eles ajudaram a pagar a compra dos seus votos.

NÓS SABEMOS QUE PAGAREMOS, PRESIDENTE.


LULA SACANEIA TSE. COM RAZÃO.

O comício (cômico suplício) realizado por Lula e pela sua candidata Dilmatraca em Osasco (SP) renderá uma nova representação no TSE. “Eles estão avacalhando o processo”, disse Rodrigo Maia (RJ), presidente do DEM. “Ou a Justiça Eleitoral age, ou o jogo fica desequilibrado”. A campanha ilegal e fora do prazo já rendeu a Lula duas multas. Na semana passada, em decisão individual, o ministro Joelson Dias aplicou pena de R$ 5 mil (brincadeira). Refere-se a um pacmício realizado no morro do Alemão, no Rio, em 2009. Na noite desta quinta (25), em julgamento colegiado, o plenário do TSE impôs a Lula outra multa: R$ 10 mil (puxa, vão quebrar o presidente!!!). Dessa vez por conta de discurso pronunciado em janeiro, na inauguração da nova sede do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados de São Paulo.
No ato de Osasco, que resultará na nova representação, Lula entregou apartamentos populares levantados com verbas do PAC. Estão inabitáveis. Falta o acabamento. As paredes de banheiros e cozinhas, por exemplo, ficaram no cimento. Coisa proposital, segundo Lula. "...Cada morador providenciará o “azulejo” de sua preferência...".
Lula fez também piada da multa da semana passada. “Não adianta vocês gritarem nome porque eu já fui multado pela Justiça Eleitoral, R$ 5 mil, porque eles disseram que eu falei o nome de uma pessoa...” “...Pra mim não tem nome aqui”. A platéia, que até então não pronunciara nome nenhum, pôs-se a gritar: “Dilma, Dilma, Dilma...” E Lula, entre risos: “Se eu for multado, vou trazer a conta pra vocês. Quem é que vai pagar a minha multa? Levanta a mão aí”. Não tenha dúvida Lula, todos nós sabemos que essas multas apesar de irrisórias e minúsculas, vão ser pagas por nós. Pelo menos uma vez você falou a verdade. Não vai sair do seu bolso. Nele, só entra.

A oposição vai anexar ao texto da nova representação um vídeo com as cenas de Osasco. Além de Dilmaracutaia, acompanhava Lula o candidato do PT ao governo paulista, Aloizio Mercadante. Sem contar a ação que está por vir, há ainda no TSE mais três representações à espera de julgamento. Em todas , PSDB, DEM e PPS solicitam providências contra a farra eleitoral do presidente.

Rodrigo Maia diz que não é admissível é a utilização escancarada da estrutura e dos recursos públicos para fins eleitorais. Isso torna a disputa desigual.

A julgar por suas últimas decisões, a Justiça Eleitoral parece dar razão aos adversários de Lula.

E como se vê, o TSE recebe de Lula o tratamento que merece. Um tribunal que não se dá ao respeito, não pode exibir que o respeitem.

quinta-feira, 25 de março de 2010

SEGURANÇA PÚBLICA

O prefeito de Barra Mansa, Zé Renato (PMDB), se reuniu ontem (24), no Rio, com o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Na ocasião, o prefeito entregou uma carta de intenção solicitando que a Risp (Região Integrada de Segurança Pública) seja instalada em Barra Mansa. Para isso, Zé Renato ofereceu uma área cedida pela Saint Gobain para a implantação da unidade no município.
Além de Zé Renato, participaram da reunião lideranças empresariais da cidade, como a presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), Juliana Rolim, e o presidente da Aciap (Associação Comercial Industrial Agro Pastoril e Prestadora de Serviços), José Fancisco de Sousa Medeiros, e também a deputada estadual Inês Pandeló.
Parabéns Prefeito, espero que não fique só no discurso. A localização sugerida inclusive atende ao projeto da estação do trem bala. Agradecemos a Saint Gobain pela disponibilização da área.
A propósito, a deputada Inês Pandeló, ávida defensora dos direitos das mulheres, poderia interceder para que funcionárias e estagiárias da prefeitura parem de ser assediadas sexualmente por um determinado secretário. Afinal, isto também é uma questão de segurança pública. Ou não?

COMENTÁRIO DA GABI.


GABI, A INCÓGNITA?

Esse comentário da GABI em uma de nossas postagens, merece destaque.

Bomba , Bomba ! Julinho, bomba!

Voce se lembra do cheque para pagamento em nome de um morto que voce denunciou e descobrir que era para indenização da desapropriação de uma casa na José Hipólito, que ia beneficiar somente uma empresa, a Bom Gosto, que ficou no lugar da NESTLÉ. Deu o maior rolo na desapropriação. Agora, semana passada, fiquei sabendo que o procedimento foi bancado pelo Procurador Jurídico da Prefeitura o Dr. Ronaldo Barbosa, que é casado com a filha de um ex-executivo da NESTLÉ - a Sônia. Até aí tudo bem!

Tudo bem uma vírgula. O pessoal da nova empresa esteve aqui semana passada no jurídico e eu descobri uma coisa importantíssima: tcham, tcham, tcham tchammmmm........TODOS SÃO MAÇONS .

É isto mesmo. Os responsáveis pela empresa são maçons igual ao Dr. Ronaldo. E tem mais....Advinha qual o escritório que vai representar a nova empresa em Barra Mansa : ............Acertou queridinho !!!! o Escritório RR Barbosa Advogados Associados, que por coincidência é do Procurador Dr. Ronaldo Barbosa.

Isto pode? Se pode - phodeu, se não phode, então phode eles Julinho. Ministério Público nestas hienas do bem, que ficam rindo da gente!!!Beijinhos.

GABI

Em tempo: Não vai aqui nenhuma acusação, apenas um alerta para que surjam os devidos esclarecimentos. O povo merece. Pelo menos isso.

ACORDA, CIDADÃO BRASILEIRO.


Lula quer burlar a lei de responsabilidade fiscal para dar dinheiro à municípios inadimplentes

Lula enviou ao Congresso um projeto de lei que autoriza o governo a repassar verbas a prefeituras de municípios inadimplentes. Verbas destinadas a um programa específico, o “Territórios da Cidadania” – R$ 27 bilhões até dezembro, último mês da gestão Lula. Assinado por ele nesta quarta (24), o projeto abre uma cratera na Lei de Responsabilidade Fiscal. Para piorar, atropela um cadastro gerido pelo Tesouro Nacional. Chama-se Cauc (Cadastro Único de Convênios) que foi concebido para armazenar os nomes de Estados e municípios que, por devedores, não podem receber verbas de Brasília. Tipo um SPC/Serasa dos Municípios.
Pelo projeto demagogo e casuísta de Lula, cidades de até 50 mil habitantes poderão continuar recebendo recursos federais mesmo que estejam devendo à União.

A novidade chega a sete meses da eleição presidencial. Tem o sentido claro de transformar prefeitos em cabos eleitorais de Dilma.

Em discurso feito para uma platéia que incluía ministros, governadores e prefeitos, Lula subverteu a lógica dos mecanismos de controle. Disse ter descoberto que o Cauc, o cadastro em que o Tesouro identifica os devedores, “era um empecilho”. Mais que isso: “Uma estupidez burocrática”.
Mais pérolas captadas do discurso de fundo estritamente eleitoral: “Se uma prefeitura deve para a Previdência hoje, ela não pode fazer nenhum convênio com o governo...” “...Mas, amanhã, ela pode estar em dia e pode fazer [convênios]. Depois de amanhã, ela pode não fazer mais. E fica uma estupidez burocrática”. “Nós resolvemos apostar na ideia de que todo mundo é honesto até prova em contrário...” “...Nós não queremos apostar que todo mundo é desonesto até prova em contrário. Todo mundo é honesto...” “...É, na verdade, um voto de confiança que a gente tá dando, para que a gente possa fazer fluir o dinheiro que está disponibilizado”.

Para “fazer fluir” o dinheiro, levando-o inclusive às prefeituras que desonram seus compromissos, Lula pretende recorrer a uma manobra já utilizada no PAC. Em vez de classificar os repasses como “voluntários”, algo que a lei veda às prefeituras inadimplentes, ele os fará na forma de transferências “obrigatórias”.

O discurso da “casa da mãe Joana, apagando a luz, todo mundo nú” estava impregnado de 2010. Lula criticou a imprensa, que, por "má-fé", prefere noticiar “desgraças” a enxergar os “avanços desse país”.
E defenestrou a oposição: “Na visão de alguns o correto era que o Brasil estivesse dando tudo errado para que eles pudessem dizer...: ..‘tá vendo, nós falamos, o menino não letrado [...]. Nasceu pra ser torneiro mecânico, a partir daí já é abuso...”

Curiosamente, Lula disse no mesmo discurso que a eleição não pode servir de pretexto para que o governo afrouxe os controles econômicos: “Não temos o direito de brincar com a economia. Nós não vamos brincar com a estabilidade econômica, ela tem que ser mantida...” “...A questão fiscal tem que ser cuidada com seriedade, com muita seriedade. E a inflação tem que ser controlada [...]”.

Ora, a liberação de verbas para municípios inadimplentes não é senão uma “brincadeira” , ou melhor “suruba” fiscal.

São esses exemplos que um pai tem que driblar para educar um filho hoje em dia:
- Um presidente da república que não precisou estudar.
- Um técnico da seleção que não precisou treinar time nenhum para chegar ao ápice da carreira.
- Prefeitos inadimplentes são contemplados e defendidos pelo governo.
- Todo mundo é honesto enquanto não é pego com a boca na botija, mesmo assim, só se for gravado em vídeo, como o Arruda.

Um país tão lindo, um povo tão bonito...tudo poderia ser diferente. Mas enquanto faltar educação e cultura para o povo e igrejas e governos incentivarem concepção de filhos sem que pais tenham estrutura para criá-los, haveremos por muitos anos de abrigar oportunistas e falastrões, que engabelam o povo na hora que querem, e não lhes acessam a educação necessária para que se possa enxergar a triste realidade dos propósitos que norteiam as suas palavras e ações. Enquanto isso, Redes de televisão e mídias mancomunadas com governos vão ditando para o povo os modismos e consumismos necessários para enriquecimento de poucos. Enquanto isso, BBBs vão tomando conta das discussões e criminosos de colarinho branco continuarão sua saga de marginalidade profissional em brancas nuvens.
Acorda Brasil.
Outubro de 2010 pode ser início da nossa redenção, e isso depende muito de você, caro leitor.


quarta-feira, 24 de março de 2010

MULTARAM O CARRO DO SUPER-HOMEM

68 Km por hora.

O POVO CONTINUA BBBOBBBO.

BBB - BONINHO, BRIZOLA, BARRÃO.

Hoje, recebi um comentário de uma leitora aconselhando-me a levar em conta um “ensinamento” da Ana Maria Braga. Não tenho absolutamente nada contra a Ana Maria, e as poucas vezes que a vi, sempre achei muita graça do Louro José. O que acho engraçado é a benevolência que o povo brasileiro tem perante a mega-rede de televisão e seus “pop-stars”. Quando anunciei que recebi pequenos honorários para realizar um trabalho estritamente profissional para o pachá de Apiacá na eleição de 2004, parecia que o mundo queria cair sobre a minha cabeça. Mas Ana Maria pode ganhar milhões, muitos milhões da Rede Globo de Televisão, que todo mundo aplaude. Ninguém se preocupa em saber que o império global foi construído graças a cumplicidade com a ditadura militar assassina. Ninguém se aborrece em saber que o que mantém a Rede Globo em seu majestoso “status quo” é a benevolência servil com os governos estaduais e federais, sejam lá por qualquer um que o ocupe. São esses valores que pagam uma fortuna para a Ana Maria. Justamente, diga-se de passagem, pois ela tem inegável valor profissional. Mas aí ninguém pergunta da origem do dinheiro que a paga. Será que alguém inocentemente acha que os anunciantes que a Ana Maria propaga são escolhidos por méritos? É claro que não, é só pagar que o caldo Knorr vira melhor do que o Maggi, que a salsicha da Sadia é mais gostosa e saudável que a da Perdigão, que o sorvete da Kibon é gostoso e emagrece, e por aí afora. E com a mesma expressão de monge beneditino, Ana Maria vai anunciando e convencendo milhares de donas de casa a consumirem os produtos por ela anunciados e milionariamente patrocinados. É assim o mercado, e assim será.
Mas ontem, a Rede Globo de televisão, escreveu uma de suas páginas mais debochadas com o povo brasileiro. Não gosto do Big Brother, mas é impossível ficar totalmente imune a ele. Seja na Internet ou em minha casa, é impossível não saber o que se passa ma casa de confinamento, a maior jaula humana de todo o Brasil.
Todos os sites de pesquisa televisiva apontavam Lia como a provável eliminada do último paredão, com larga margem de vantagem, diga-se de passagem. Mas não foi isso que aconteceu.
Duas hipóteses são as mais prováveis: Ou a Rede Globo descaradamente alterou a seu bel-prazer o resultado, ou as edições prévias da eliminação influenciaram fortemente o “eleitor”. E prefiro acreditar na segunda e explico:
Pesquisando, descobri que Bial reduzira o confronto como o embate de duas mulheres explosivas. Era muito mais do que isso. Depois vi que em uma edição colocou-se Fernanda fazendo Dicesar mudar seu voto, passando a idéia clara de que houve uma conspiração malévola e gratuita. O trio formado por Maroca, Fernanda e Dicesar, ficou estigmatizado pela edição direcionada do programa como uma união de três ressentidos raivosos. Depois foi permitido exclusivamente que Cadu justificasse seu voto, e seu voto foi contra Maroca. Deram direito de resposta a ela, mas sendo pega de surpresa, caiu na armadilha global. Mas o que é pior e mais dissimulado, é que no Twitter, nos seus blog e sites, amigos de Boninho, do alto de sua quantidade enorme de seguidores, pediram exaustivamente pela eliminação de Maroca. São eles: Luciano Huck (um milhão e duzentos mil seguidores), Angélica (405 mil seguidores), Preta Gil (290 mil seguidores) e Fernanda Paes Leme (203 mil seguidores). Não é a toa que recentemente Boninho alterou o sistema de votação e passou a dar mais peso as respostas efetuadas pela Internet.
Brizola, quando vivia, tinha um bordão entre seus seguidores (reais, não virtuais): “O povo não é bobo, abaixo a rede Globo”. Ledo engano.
Brizola morreu. O povo continua bobo.
A propósito: Essa história de manipulação de votos, edição em televisão, fraude eleitoral, uso da máquina, edição de imagens para denegrir adversários, etc., me lembra a eleição de uma "extinta" cidade no Sul fluminense. Alguém saberia dizer qual?

terça-feira, 23 de março de 2010

HIENAS DO "BEM".


CEGUEIRA ESTÚPIDA.

Hoje na caravana Cultura para todos tem show com o comediante Marco Veras, o "Frescone" do Zorra Total. Antes dele, toca meu amigo Carlos Bianchini acompanhado do Guigui. Semana que vem tem Wander Lee, revelação da música mineira. Essa semana chegou o CD do Marco, bancado pela Prefeitura de Volta Redonda. Em junho com o mesmo apoio, tem o show do CD com gravação de DVD no GACEMS. Toy Madeira, Figurótico, Blue Angels, Dinho, etc. vão fazer participações especiais no show, que inclusive terá no repertório, minha canção "Santa Emoção". Talentos de Barra Mansa recebendo carinho da cidade vizinha. No Cultura para todos, já estão agendados para as próximas semanas, Marcelo D2, Benito de Paula, Zé Augusto, Diogo Nogueira, Paralamas, Erasmo Carlos, entre outros. Semana passada foi inaugurado o "Porão Hall" com o show da Ana Carolina. Essa semana tem Celebrare. Lá, já estão confirmados Maria Gadú e Danni Carlos. Na Festa do Peão Boadeiro, no início de abril, na Ilha São João, vai ter Victor e Léo, Fresno, NX Zero, Molejo, Sorriso Maroto e Mc Marcinho. Amanhã no Estádio da Cidadania tem Madureira x Fluminense. Quinta, Volta Redonda x Botafogo. No mesmo dia na Ilha São João começa o campeonato brasileiro de showbol, com a presença de craques do Vasco da Gama, Corinthias, Internacional e Grêmio. Dia 28 tem a Copa Cidade do Aço de Kart Indoor, e Volta Redonda ainda sedia nesse mês a terceira etapa do Campoeonato estadual de Tae-kwon-do. Semana que vem tem dois jogos do Voltaço na Super Liga Nacional de Vôlei. Na Páscoa, a Prefeitura vai fazer uma série de eventos e entrega de ovos de chocolate para crianças. Hoje, o Prefeito Neto assina convênio com a Caixa, que gerará, segundo ele, 2000 novas habitações populares, em imóveis cedidos pela Prefeitura. Várias atividades para a terceira idade também estão programadas. Quase ia me esquecendo, Volta Redonda também vai receber nos próximos dias, meu amigo Lô Borges, Wagner Tiso (ambos com a orquestra sinfônica da CSN) o humorista Danilo Gentili (Porão Hall), e duas semanas da boate "Privilége", no Clubinho do Laranjal.

Enauanto isso em Barra Mansa tem a bombada exposição "Oxidações, Pigmentações e Cerâmicas"....

E os caras do "bem" ainda tem a "cara-de-pau" de fazer uma propaganda (Benjamim) tirando onda com a Prefeitura de Volta Redonda.

Por isso nosso blog vive recebendo visitas, inclusive a deles com suas mentiras e ofensas levianas. Não há nada melhor para se fazer em Barra Mansa. Quando não estão visitando nosso blog, os principais secretários da Prefeitura ficam batendo perna no Shopping de Volta Redonda. Em qualquer dia você os encontra lá. Nem para gastar dinheiro na própria cidade eles prestam.

E repito, ainda teimam em querer tirar onda com Volta Redonda.
Ah...Eles também vão falar que em Barra Mansa tem o projto "Música nas escolas"...Então eu te pergunto: Onde Barra Mansa gasta milhões em aquisição de instrumentos musicais????? NA CASA DA MÚSICA, em...........VOLTA REDONDA.

Não sei se é estupidez ou cegueira. Provavelmente os dois.

PUTARIA EXECUTIVA.


E VAI ROLAR A FESTA...

Tem gente que fala que não gosta de política. Só curte futebol, música, televisão, cinema, etc... Falam que quem mexe com política não tá com nada, etc...

Vejam então a relação de "celebridades" que querem entrar para o "ramo sujo". Todos pré-candidatos na eleição de outubro deste ano:

- Romário (PSB), ex-jogador de futebol.
- Edmundo (PP), ex-jogador de futebol.
- Dedé Santana (PSC), humorista de “Os Trapalhões”.
- Netinho (PCdoB), cantor e apresentador.
- Sérgio Malandro (PTB), humorista e apresentador.
- Márcio Braga (PMDB), cartola do Flamengo.
- Vanderlei Luxemburgo (PT... de Tocantins), o ex-técnico da seleção brasileira
- Vampeta (PTB) ex-jogador da seleção e do Corinthians.
- Sérgio Reis (PR), cantor e ator.
- André Gonçalves (filiado ao PMN), ex-Casa dos Artistas.
- Kleber “Bambam” (PTB), ex-Big Brother Brasil.
- Maguila (PTB), ex-boxeador.
- Eduardo Braga (PTB), filho do “rei” Roberto Carlos.
- Jean Wyllys (PSOL), vencedor do Big Brother 5.
- Marcelo Yuca (PSOL), ex-baterista do Rappa.
- Caseiro Francenildo (PSOL), pivô do escândalo que derrubou o ex-ministro da Fazenda Antonio Palloci.
- Danrlei (PTB), ex goleiro do Grêmio.
- Kiko (DEM), o K do grupo KLB.
- Rose Vilela (PV), aqui de Volta Redonda, mãe do nadador Thiago Pereira. "Vai, Thiago!"

Podem, e ainda não confirmados, tentar uma vaga nas Câmaras do Brasil:

- Renata Frisson, Mulher Melão.
- Marcelinho Carioca (PSB), ídolo corintiano.
- Acelino de Freitas (PRB), o Popó, lutador de boxe.
- Leandro (DEM), o L do KLB.
- Ana Paula Junqueira (PV), socialite.
- Andrez Sanches (PT), Presidente do Corinthias.
- Ivo Rosset (PT), Presidente da Valisére.
- Mirla Araújo Prado (PRB), Ex-BBB.
- Guilherme Leal (PV), Presidente da Natura.
- Tulio Maravilha (PMDB), jogador de futebol.
- Muller (PTB). Ex- jogador da Seleção brasileira.
- Luiz Carlos (PTB). Cantor do Raça Negra.
- Teodoro (PTB). Sertanejo da dupla Ele e Sampaio.
- Tico Santa Cruz (PSOL). Vocalista do Detonautas.
- Gabriela Leite (PV). Prostituta e Presidente da DASPU.

Nós que já vimos o papel feito pelos Robertos Dinamites, Agnaldos Timóteos, Franks Aguiar, Clodovis, Mães louras do funk Veronicas Costas e Euricos Mirandas, sabemos o que esperar.

Mas, "a bem da verdade" termo que os parasitas do Barrão gostam de usar, é inegável que a Mulher Melão tem peito pra caramba, Que o Romário é marrento pra caramba, Que o Congresso é lugar de Malandro(Sérgio) pra caramba, Que o Maguila e o Popó batem pra caramba, mas pensando bem, nada mais apropriada que a candidatura da Gabriela Leite, prostituta e presidente da DASPU. Se a gente pensar bem, ela tem todos os predicados para ser presidente do Congresso Nacional. Sé é para termos putaria generalizada, que coloquemos uma profissional executiva.

Em tempo, é justamente pela omissão das pessoas capacitadas e de caráter, que a política vem sendo invadida por toda a sorte de oportunistas. O eleitor que escolhe gente despreparada tem parcela de culpa, mas o omisso é o responsável maior.
E ainda tira onda.

OLHA ELA ÁI DE NOVO.


VESTIDO CURTO COMO O QI.

A estudante Geisy Arruda, expulsa por usar vestido curto em uma universidade de São Paulo, quer deixar seu, digamos, legado à sociedade.
Segundo a "Folha de S. Paulo", a loira pretende lançar uma grife de vestidos curtos.

Olhem a última "pérola" da melhor anti-musa de todos os tempos:
"Meu sonho é que cada menina que for à rua José Paulino possa comprar um vestido provocante como o meu", disse a estudante, referindo-se a rua paulista famosa por reunir lojas de roupas a preços populares.

Anti-musa que é anti-musa nunca deixa seus algozes sem munição, e Geisy é competente no ramo.

A moça já definiu qual vai ser a seu legado a sociedade: Investir no incentivo à pedofilia.

Geisy calada é uma grande poeta.

É nossa anti-musa "hours-concours".

Desculpe-me Cida Coxão, mas até na baixaria tem gente melhor do que você.

VERDADE DÓI


FIXAÇÃO.

Um anônimo, ora postando sobre a sigla FF, ora assumindo sua covardia insana e postando como anônimo mesmo, na sua falta de competência e necessidade profissional, resolveu a todo momento, enviar comentários para o nosso blog, todos eivados de ódio e inveja cristalina em relação a minha pessoa. Acusações torpes, ofensas de baixo calão, defesas efusivas para o pachá de Apiacá, extração de palavras de minha boca, conclusões deturpadas do que escrevi, análises tendenciosas, entre outras demencias. Parece que o cidadão passa vinte quatro horas pensando em mim e tentando tomar conta da minha vida. É uma fixação que parece a do filme "Atração fatal".

Para os visitantes do blog, posso reiterar que não vou ficar mais perdendo meu tempo em publicar, desmentir, etc.. É muito chato e não acrescenta nada na discussão. O que está em jogo não é a avaliação da minha pessoa, pois não estou em cargo eletivo nem pretendo estar. Não é por mim que passa os desmandos e descalabros que Barra Mansa sofreu desde que deram mandato para o Roosevelt. Minha vida, embora muito interessante para mim e para os meus, não é o que está na berlinda. Minhas incursões de felicidade, minhas discussões, meus objetivos de vida, meus acertos e erros, só importam para aqueles a quem devo carinho e respeito, e isso evidentemente não inclui nenhum anônimo, por mais apaixonado por mim que seja.

Refilta, caro boçal, e veja se não estás precisando de um psicólogo para curar a doentia obcessão que tens em relação a mim.

Se queres fazer alguma acusação via blog, crie o seu, só que aí voce vai ter que mostrar a sua cara suja e escondida.

O meu blog é um blog pessoal, e se fez sucesso é porque gente como você está encarando a verdade pela primeira vez na vida, e a verdade as vezes dói.

NOTÍCIA FRESCA DA MADRUGADA.

São tres da manhã. Informo em primeira mão que o presidente do Volta Redonda Futebol Clube, Rogério Loureiro, renunciou ao cargo. Seu vice é Edilson Silva, o que vai gerar uma situação interessante: Ele vai assumir a presidencia do Voltaço e concomitantemente, a vice-presidencia do Leão do Sul. Azar dos dois.

segunda-feira, 22 de março de 2010

SIMPLESMENTE, A VERDADE. NUA E CRUA.


SE QUEREM AVERDADE, ASSIM SEJA.

Não sou perfeito. Não pretendo ser. Não sou candidato a santo. Não pretendo ser. Não sou prefeito. Não pretendo ser. Não sou hipócrita. Não pretendo ser. Não sou injusto. Não pretendo ser. Não sou melhor do que ninguém, mas isso eu pretendo ser. Pretendo ser diferente e não ficar tolhido em minhas palavras e minha sinceridade. Se acho que algum aliado ou amigo meu cometeu erro, aponto. Não rotulo as pessoas como do bem ou do mal nem as julgo antecipadamente de acordo com o lado em que elas estão. Não sou de tribo nem tenho cacique. Posso ser de grupo e ter líderes, mas isso jamais vai fazer com que eu creia que nossos líderes não erram nem sejam perfeitos.
Falo isso como prenúncio de uma história que enfim vai ter que ser revelada.
Falo isso porque fui obrigado a recusar quatro comentários efetuados por gente do “bem” e explico os motivos.
O primeiro foi efetuado pelo RRC, que insinuou que eu tinha confessado que minhas desavenças com Roosevelt eram por questões unicamente financeiras. Éticamente omiti a verdadeira versão durante cinco anos e no transcorrer dessa postagem vocês vão entender porque.
O segundo falava que eu e Ricardo partimos para uma guerra pessoal e estaríamos sem bandeira e por não termos com quem brigar, estávamos brigando entre si. Repito que não é por comungar da linha política de alguém que eu fique impedido de ver seus erros e efetuar críticas. A credibilidade do nosso blog está justamente por aí. As pessoas podem até não concordar com nosso raciocínio, mas reconhecem a nossa ousadia de buscar a verdade doa a quem doer. E repito, não permitirei que meu amigo Ricardo Maciel transforme meu blog num palanque de oposição gratuita à Inês Pandeló, nem num palanque de enaltecimento gratuito ao meu amigo Luiz Amaral. Na qualidade de políticos, aqui no blog, não existem amigos ou inimigos. Temos coragem e decência de aplaudirmos atos consistentes de adversários e de condenarmos erros de nossos aliados.
O terceiro comentário, efetuado pelo insosso e infeliz AB, contemplava uma discussão acalorada que tive ontem no Fronteiras com o Paulo Gil, que vem a ser primo do Ademir. Nossa discussão teve motivação futebolística e nenhuma conotação política, mesmo porque Paulo Gil não faz parte da seara política e o fato de ser primo de Ademir, para mim não o transforma nem em melhor ou pior. Minhas discussões pessoais não interessam a ninguém no blog e muito menos tenho que dar satisfação da minha vida para uma pessoa tão mesquinha, fracassada, omissa, incompetente e espúria como irmão do pachá de Apiacá, que tem como profissão viver na aba e na sombra do irmão. Tenho pena de gente tão sem personalidade, sem vida própria, sem objetivos nem projetos pessoais e por isso não postei.
O quarto que acabei de ler, é da Cida Coxão, auto-intitulada Jéssica do bem, que com os mesmos erros de português e devaneios psicológicos, diz que esse final de semana foi péssimo para mim, pelas razões expostas acima e por ter tido um carro arrombado na garagem da Camara de Barra Mansa e ainda ter brochado e detonado o Ricardo Maciel, etc... Informo que o Mondeo arrombado na CMBM, e que já gerou registro policial, não é mais meu é do Sr. Elmo Vilhena, que nunca brochei e o dia que isso acontecer vou sem dúvida apelar para pílulas, e que o que de ruim aconteceu nesse final de semana é que minha esposa, nos afazeres domésticos, teve duas pequenas fraturas no dedão do pé e encontra-se engessada, mas nada que impeça a gente estar sexta-feira no Celebrare no Porão, mas evidentemente nesse final de semana ela não pode me acompanhar e por isso fiquei na terrinha, que graças a incompetência e má vontade da PMBM, não oferece opções de lazer, e atende pelo nome de Barra Mansa
Mas Senhor Rogério Rocha Costa, acho que seu líder Roosevelt Brasil lhe condenaria por ficar coçando a minha língua e o resultado disso vai ser a história real e com testemunhas e provas que passaremos a contar para explicar de onde se originou meu último motivo de nojo perante o senhor Roosevelt Brasil.

Era final de 2003. Haviam apenas três candidatos a sucessão de Roosevelt Brasil. Ele próprio, Inês Pandeló e Guto Nader. O Governador Garotinho havia ventilado a realização de importantes obras para o desenvolvimento de nossa cidade, mas mesmo assim, Roosevelt encontrava-se em último lugar nas pesquisas eleitorais. A sua administração passava pelo maior nível de desgaste nos seus oito anos de governo. A administração dele não era uma maravilha, mas naquele momento se vislumbrava ares de equilíbrio, seriedade e uma certa transparência. Os adversários Inês Pandeló e Guto Nader, não me inspiravam muito entusiasmo. Inês pelo fato de ter feito uma administração desastrosa, mais pela incompetencia do secretariado do que pela sua própria vontade, mas é inegável que seu governo foi uma sucessão inesgotável de erros. Quanto ao Guto, pessoa que sempre mantive um relacionamento cordial, não via grandes perspectivas eleitorais visto que já era inegável o desgaste que seu sobrenome desfrutava na sociedade barramansense no tocante a política. Se esse rótulo é justo ou não, não me cabe avaliar, mas que há uma enorme rejeição, isso é notório até os dias de hoje. Portanto, eu, na qualidade de eleitor, estava inclinado a votar no Roosevelt Brasil, mesmo sem grande entusiasmo. Ademir Melo era presidente da Câmara, e demonstrava apoio ao Governo Roosevelt e via numa aliança com Roosevelt a possibilidade de apagar alguns rótulos políticos que herdara e traçar planos políticos em comunhão com o pachá. Ademir inocentemente entregou toda a sua estrutura de mão beijada para o Roosevelt. Porém Roosevelt sabia que isso não bastaria para reelegê-lo. Precisava além de conquistar Ademir, seduzir seus seguidores e parceiros para que na formação de um blocão, reverter seus índices de desaprovação e passar ao eleitorado a receita da continuidade administrativa.
Pensando assim, foi realizada na sede do Fundamp, uma reunião com as seguintes pessoas, todas convidadas pelo Ademir Melo:
Luis Antônio Cardoso (hoje vereador, mas que na época era o diretor executivo do Fundamp, depois de tempo a frente da secretaria de Agricultura, cargo que foi nomeado por sugestão de seu ex-companheiro Ademir Melo), o falecido Lucio Teixeira (secretário de governo e presidente do PMDB naquele instante, mas é necessário falar que antes disso Lúcio era um mero assessor legislativo do prefeito na Camara Municipal e por força de Ademir foi conduzido para um cargo de maior envergadura no Governo), o Vereador Luis de Barros, EU, o Luciano Pançardes (representando o grupo a Voz da Cidade, que fazia oposição ao Governo), Hilton Alexandre (Peninha), representando a Rádio do Comércio, que se mantinha neutra em relação ao governo, mas reclamava da falta de verbas públicas para seu veículo. (Seu irmão, Sebastião Alves, que por força da justiça conseguiu um horário independente na Rádio de 6 às 8 da manhã, sentava o pau no Governo, mas ressalte-se que os dois irmãos até hoje não mantém laços de amizade nem convivência), Dr. Sérgio Gomes (que depois dessas reuniões passou a ser secretário municipal de saúde), Ricardo Maciel, e salvo engano, mais ninguém.
O tópico da reunião era ver o que Roosevelt poderia fazer por cada um para ganhar o apoio.
Luciano falou que queria mais parceria com o Governo (verbas para o jornal), na mesma linha falou Peninha (apoio = verbas), Sérgio ganhou a secretaria. Ricardo ganhou um cargo na Secretaria de Saúde, Lula ganhou algumas obras há muito reivindicadas e por aí foi.
Foi levantado que a oposição (Sebastião Alves e alguns articulistas) precisava de um contraponto. Alguém que fizesse no rádio e no jornal uma análise benevolente para com o governo. E aí que meu nome entrou na roda. Roosevelt, perguntou o que eu poderia fazer a respeito. Eu respondi que meu voto e de minha família já seriam por eliminação dele, mas caso quisesse o meu trabalho como articulista ou radialista, isso deveria ser feito mediante uma remuneração, pois quem trabalha de graça é relógio. Falei que não queria valores extraordinários, mas pelo menos algo que compensasse o meu dispêndio e o tempo a ser utilizado na empreitada.
Depois de algumas reuniões pessoais minhas diretamente com o Roosevelt, ficou acertado que eu faria uma coluna no jornal “A Voz da Cidade”, a ser veiculada todas terças, quintas e sábados e que faria um programa diário ao vivo na Rádio do Comércio, de 11 ao meio-dia de segunda à sexta-feira. A Coluna se entitularia como "
Gente que Vale, do Conde dy Trybhall" e o programa chamaria-se “Na tribo do Conde”, tudo em referência ao meu pseudônimo jornalístico “Conde dy trybhall”.
A coluna, assim como o programa, foi um estrondoso sucesso. O pai do Peninha, Sr. Ildeu, em apenas algumas semanas de exibição, considerava-me um fenômeno radiofônico jamais visto em sua rádio. O horário era ingrato, mas através do sorteio de prêmios (que eu bancava do próprio bolso, com alguma ou outra exceção efetuada por entrevistados convidados), receitas, mensagens de auto-ajuda, análises político-sociais e entrevistas político-eleitorais, conseguíamos ser uma referencia para quem ouve Rádio AM neste horário: Donas de casa, aposentados, desempregados, empregadas domésticas e estudantes. Vez por outra Roosevelt visitava o programa, assim como seus secretários e familiares. A coisa corria muito bem e como eu tinha o cadastro dos participantes dos nossos sorteios em pesquisas realizadas pela minha secretária vimos que de março à setembro a aceitação do Roosevelt entre nossos ouvintes passou de 24 para 92%. Tal programa e coluna me renderam ações judiciais, mas felizmente saí vitorioso em todas. Recebi ameaças e toda a sorte de desafios, mas destemidamente continuei com o projeto até o final. Sei que tive uma importante participação na vitória de Roosevelt e não me importa quem achar o contrário. Minha consciência e os dados que dispunha me deram toda a certeza de meu êxito no projeto. Do programa, saiu o CD “Mensagens do Conde” que modestamente e sem apoio financeiro de ninguém e gravado em apenas um dia de estúdio, até hoje é um prazer para quem o ouve. No programa, fizemos inúmeros admiradores, que através de nossas palavras de conforto e otimismo, em alguns casos, mudaram o próprio rumo de suas vidas. Foi desgastante, foi sacrificante, mas era compensador.
O leitor há de me perguntar: E a história do seu pagamento, como era efetuado?
Isso é que omiti por anos, mas o senhor Rogério me força a esclarecer.
Rogério diz que Roosevelt efetuou os pagamentos por ser seguidor da lei e por aí afora. Mas não é bem assim.
Da verba que o jornal “A Voz da Cidade” e a “Rádio do Comércio” recebiam, a partir de março, quando estreou o programa, adicionava-se R$1.500,00 em cada, totalizando R$3.000,00, que eram repassados para mim. Eu já ganhava um bom salário na Câmara Municipal e este valor completava minha receita, e boa parte dele era investido em prêmios que eu distribuía entre nossos ouvintes.
Foi assim durante todo o ano, de março à dezembro de 2004. Quem quiser conferir nos balancetes da Prefeitura, fique à vontade.
É necessário esclarecer que mediadores do Guto me ofereceram a quantia de R$10.000,00 mensais para realizar a mesma empreitada, mas por coerência, declinei.
Depois da acachapante vitória do Roosevelt, que conseguiu quase 60 mil votos, comecei a desenhar a mesma receita para a eleição de Ademir Melo para a Alerj, e era o que todos nós esperávamos que Roosevelt apoiasse, em gratidão política a aquele que foi o grande articulador da sua vitória. Vale registrar que nessa eleição Ademir conseguiu quase 4.200 votos para vereador, tendo sido o recordista proporcional de votos em todas as Câmaras Municipais do país, em cidades com mais de 110 mil habitantes e que também é até hoje, através da estupenda votação, o recordista de votos para a Câmara Municipal de Barra Mansa.
Mas a mente deturpada de Roosevelt e sua ganância pelo poder foram alimentadas pela votação obtida. Os 60 mil votos lhe deram a impressão de que era um líder político inatingível e que não precisava mais de ninguém e começou a traçar novas estratégias. Logo após o resultado de sua eleição, começaram a ventilar comentários de que ele lançaria sua esposa ao cargo pretendido pelo Ademir, e seu sócio para Deputado federal.
Eu, que já conhecia Roosevelt desde os tempos de faculdade, não me surpreendi tanto. Ademir relutou em acreditar mas chegou a um ponto onde isso não poderia ser mais escondido.
Roosevelt me conhecia, e sabia que por lealdade, independente do dinheiro que fosse, eu não compactuaria com tal descalabro e traição.
Por isso, Roosevelt friamente me convocou ao seu gabinete e falou que a partir de 2005, não haveria mais espaço para mim no programa de Rádio.
Aceitei com resignação, mas com o coração triste.
Nunca cuspi no prato que comi, e por ter apoiado Roosevelt e pedido votos aos nossos ouvintes e leitores, passei os quatro anos do seu Governo quietos. Eticamente reconhecia que eu tinha participado de uma operação irregular e seria hipócrita de minha parte, já que meus préstimos não interessavam amais ao mandatário, jogar a história na rua.
Paguei como qualquer cidadão barramansense, o preço de tê-lo como governante e seu segundo mandato foi marcado por mais traições, mais jogadas irregulares, gastos exorbitantes com imprensa, factóides, impostos, taxas, multas, desmandos, mentiras, calúnias, destruição covarde de imagem de adversários, e por aí afora.
Hoje, estou a vontade para poder falar isso. Não queria, mas o senhor Rogério Rocha Costa me forçou a fazê-lo.
Repito: Não sou perfeito, nem pretendo ser.
Peço perdão por ter participado dessa campanha, mas no meu blog, estou colocando até em risco para redimir-me perante a sociedade barramansense e colocar a verdade a frente de tudo.
Por conhecer os meandros do “modus operandi” Roosevelt é que entendi como ninguém a lavagem de dinheiro PMBM X FEBAM X CLUBE DO RECANTO E BARRA MANSA F.C., e portanto me coloco a disposição do Ministério Público, da Receita Federal e da Justiça, para quaisquer esclarecimentos que por ventura fizerem-se necessários.