quinta-feira, 28 de julho de 2011

UM PREFEITO ZEN. VERGONHA.



A FALÁCIA DO ZÉN RENATO.

Enquanto o Flamengo nos enche de orgulho, o prefeito de nossa cidade constinua a nos causar vergonha. Sem ter o que falar, ou mais factóides pra criar, o prefeito, na abertura da Flumisul, disse em seu discurso, que tinha orgulho de anunciar que extamente naquele dia teria começado as obras do ZEN: Zona Especial de Negócios.

Essa artimanha é antiga e já teve diversos apelidos como Parque Industrial, Zona Industrial e por aí vai, mas nunca saiu do papel.

Barra Mansa, através dos seus incompetentes administradores, não oferece atrativos para instalação de empresas e já viramos motivo de chacota ao levarmos surras intermitentes de Volta Redonda, Porto Real, Resende, Itatiaia, Piraí, entre outros, no tocante a geração de empregos e renda.

Mas a cara de pau não muda e o discurso cada vez vem com um detalhezinho de marketing fraudulento. Agora é ZEN. Bem apropriado para um prefeitinho ZENVERGONHA.

Aliás, realmente ele é ZEN, consegue ficar tres anos sem trabalhar na maior calmaria.

Só tem um jeito desse homem trabalhar: Sair da prefeitura. Falta pouco.

CAPÍTULOS DE UMA PAIXÃO CORRESPONDIDA.



UMA ODE AO FUTEBOL.

Já faz algum tempo que não comento no Blog sobre duas paixões correlatas do blogueiro: Futebol e Flamengo. Hoje não tem como me desviar do assunto.

Sempre ouvi falar admirado sobre os embates épicos ocorridos entre duas grandes expressões do futebol brasileiro na década de 60: O Glorioso Botafogo e o Timaço do Santos. Segundo consta, capitaneados pelos talentos de Garrincha e Pelé, esses dois times fizeram jogos antológicos no futebol brasileiro, repletos de arte, gols e magia.

Ontem esse espírito ressuscitou na Vila Belmiro. De um lado, pela primeira vez completo no campeonato brasileiro, o esquadrão de arte do competente Muricy Ramalho ofereciam do meio para a frente os nomes de Arouca, Elano, Ganso Ibson, Neymar e Borges. Do outro lado, o técnico mais vezes vencedor do campeonato, Luxemburgo, apresentou as armas batizadas de Ronaldinho Gaúcho, Felipe, Thiago Neves, Léo Moura, Renato e Willians. Contra o Flamengo os desempenhos regularmente pífios de Wellington e Deidiv. Contra o Santos, a instabilidade de seu goleiro.

Para que o jogo começasse com ares de dramaticidade e pane, dois pilares do Flamengo, Léo Moura e Renato, logo ao início do jogo, erraram irresponsavelmente passes em área perigosa que resultaram em dois oportunistas gols de Borges, o segundo, com um toque de arte e sorte de Neymar e com a incompetência do zagueiro Wellington. Mesmo o flamenguista mais otimista já temia o pior, e essa sensação foi potencializada quando Deivid, um sub-jogador de futebol, perdeu bisonhamente um gol em baixo da trave e sem goleiro.

Aparentemente o Flamengo pagaria o pedaço de entrar com somente 9 jogadores profissionais em campo, e o castigo não tardou, Neymar numa pintura clássica de irreverência, talento, arte e velocidade, fez um gol que focará nos anais da Vila Belmiro, palco de outros tantos gols apoteóticos. O Santos parecia desenhar uma goleada acabando de forma exemplar com a invencibilidade do Flamengo no Campeonato Brasileiro. Mas se esqueceram que Flamengo é Flamengo e nada é definitivo em totalmente explicado quando se entoa esse mantra.

Através da insistência do time e da falha do goleiro santista, Ronaldinho começou a escrever um dos momentos mais importantes da sua vitoriosa carreira e fez o primeiro gol rubro-negro. Novamente pela direita o Flamengo encontrava espaço para seu futebol e num cruzamento certeiro efetuado pela grande promessa Luis Antônio (P.S: Revendo o lance vi que quem efetuou esse cruzamento foi o Léo Moura, mas como Luis Antônio fez outros tantos com qualidade e denodo, no meu imaginário a cena vai continuar com ele), Thiago Neves cabeceou para encostar no placar: 3x2 para o Santos.

Milhões de flamenguistas em todo o país já respiravam esperançosos e orgulhosos pela reação, quando apesar da insistência teimosa do antiquado, passional e ultrapassado José Roberto Wright, comentarista de arbitragem da Rede Globo, o juiz apunhalou o Mengão e marcou um pênalti inexistente de Willians em Neymar. A falta foi discutível, mas se ocorreu, foi fora da área, e minha visão após rever o lance dezenas de vezes pode garantir que o comentarista mais uma vez errou, assim como o juiz, contra o Flamengo.

Novo balde de água fria se apontava contra nossa torcida. Mas, os deuses do futebol, fizeram Elano abusar da empáfia e tentar fazer uma cavadinha na cobrança do penalty, defendido com sarcasmo pelo experiente Felipe. E aí foi a vez de nova ressurreição flamenguista e Deivid, resvalou de testa uma cobrança de escanteio perfeita de Ronaldinho e o empate estava sacramentado: 3X3.

Final de primeiro tempo. E uma página lendária do futebol brasileiro já tinha farto material para ser publicada. Independentemente do resultado final que aconteceria hora depois, qualquer flamenguista já se sentia honrado e orgulhoso de seus ídolos.

Começa o segundo tempo, e mesmo já sem Wellington, substituído, o Flamengo não encontrava meios de silenciar a arte de Neymar e ele sacramentou mais um belo gol para a equipe santista.

Para nós, o empate já seria um belíssimo resultado, visto que manteria a nossa invencibilidade e em face dos percalços iniciais o empate teria gosto de vitória, mas, havia outro grande talento querendo fazer história e Ronaldinho Gaúcho, recebeu e cobrou uma falta que calou o lado branco da Vila Belmiro e mostrou ao Elano que irreverência tem hora e lugar. Saber qual é, faz o diferencial dos gênios para os pobres mortais.

Para graça de toda uma torcida apaixonada, ainda sobrou talento para Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho tabularem (e tabelarem) uma jogada que resultou no terceiro gol de R10 e na virada espetacular do Flamengo: 5x4.

Não me lembro de ter visto outro jogo tão lindo em minha vida, mas se vi, pelo menos por meses tentarei esquecer e focarei tão somente nesse épico que assistimos ontem, onde apesar de ter um vencedor no campeonato que somou mais três importantes pontos, o jogo ficará na história como um duelo de gigantes. Todos vencedores. Todos merecedores de glórias e aplausos.


Obrigado Senhor por ter me permitido assistir esse espetáculo de magia, arte, talento, raça, superação e fé. Não faltou sangue, não faltou gol, não faltou inspiração, faltaram graças a Deus, apenas as faltas, praga maligna que empobrece o esporte bretão e que é preconizada por débeis sem talento como Dunga, Felipão (em alguns momentos) e outros ignaros.
Bem para finalizar, seria hipócrita, como torcedor apaixonado que sou, não registrar que estamos no G4, somos o último campeão carioca (invicto), somos o único time que não perdeu jogos fora de casa em todo 2011, somos os únicos invictos do campeonato, somos o time que mais rodadas ficou invicto em toda a história do Brasileirão em pontos corridos, temos o melhor ataque do campeonato assim como o artilheiro e perdemos em todo ano apenas uma partida. E preparem-se, adeptos do arco-íris, pois brevemente jogaremos com 11 em campo pois Alex Silva e Jael vêm aí.
Oh! Meu Mengão, eu gosto de você.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

O BAFÃO.



A CASA CAIU.

A Justiça Civil acatou o pedido de liminar impetrado pelo vereador Marcelo Borges com parecer favorável do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, contra a instalação da Boate THE WEST no Parque da Cidade durante a Flumisul. Mas o pepino é maior do que se imagina. Segundo fontes, os proprietários da boate itinerante já teriam feito um certo "adiantamento" a uma determinada pessoa e não se conformam com o desfecho e querem seu dinheiro de volta assim como a reparação pelos prejuízos materiais causados e quebras de contratos com terceiros. Estão tentando "abafar o bafo" mas dizem que os moços estão cuspindo fogo pelas ventas e prometem sérias retaliações. Parece que estão omitindo o bafo até para o prefeito. Para piorar, fontes nos informam que sabedores do êxito da ação de Marcelo, a prefeitura teria se antecipado e revogado o evento, razão pela qual os moços estão ainda mais possessos. O Bicho pegou. A casa caiu. E não foi na Orlandélia.

A VERDADEIRA FEIRA DE NEGÓCIOS.



E A CARAVANA SEGUE LADRANDO...

Enquanto prédios desabam e o desmando reina, a Flumisul vai divertindo a panelada. Mas Barra Mansa não para, ainda, ou será que já parou? Bem, mas o queremos nos reportar e sobre as "notícias" inseridas no último boletim informativo da prefeitura de Barra Mansa:

1. Por decreto, o prefeito autorizou a contratação de 30 (trinta) auxiliares de serviços gerais, sem concurso, para trabalhar 6 (meses) na SUSESP.

2. O Prefeito criou uma comissão para avaliar o desempenho dos funcionários. Adivinha quem ele nomeou como presidente? Sr. Fanuel Fernando de Paula Faria.

3, O SBT ganhou mais um contratinho de R$60.000,00.

4. O DIA ganhou mais um contratinho de R$50.000,00.

5. A prefeitura contratou por R$55.420,00 0 Sr. Paulo Gsttavo Pereira Bastos. Motivo: Trabalhos técnicos elaboração de plano local de habitação. Prazo de trabalho: 45 dias.

6. A secretaria de Educação contratou a QUEIROZE FILHOS PANIFICAÇÃO por R$20.100,00. Motivo: realização de "coffe-break".

7. A prefeitura contratou por R$88.500,00 a empresa LANCE VÍDEO DE VOLTA REDONDA. Motivo: Captação de imagem FULL HD.

8. A prefeitura comprou R$69.600,00 da ON LINE PAPELARIA. Objeto de compra: PAPEL XEROGRÁFICO TAMANHO A4.

9. A secretaria de saúde prorrogou, sem concurso, pela quarta vez, o contrato da dermatologista ANA RAFAELA S. G. LEAL.

Com todo respeito à FLUMISUL, isso sim é uma verdadeira FEIRA DE NEGÓCIOS.

terça-feira, 26 de julho de 2011

ÚLTIMAS QUEDAS.




Pelo endereço acima você pode ver o vídeo do PETISCO DA VILA caindo agora à tarde.



Em tempo: O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro deu parecer favorável a liminar impetrada pelo vereador Marcelo Borges contra o funconamento da Boate Itinerante "The West" durante à FLUMISUL.

Pela vontade do MP, o POKEMON vai ficar no CABIDE.

DENÚNCIA GRAVE.



Recebi o e-mail abaixo, IDENTIFICADO, e omito o nome por questão de segurança do denunciante. Se tais fatos forem verídicos, providências enérgicas precisam ser tomadas. Aguardo informações de nossos colaboradores a respeito. Dois prédios desabaram na tarde de hoje.




Então meu caro, você já deve estar sabendo que caíram umas casas no ano bom, junto com as casas o petisco, o gaucho ta interditado, e fiquei sabendo que você é uma pessoa de oposição e tem um blog bem visitado, tudo aconteceu porque a prefeitura a anos atrás deu um alvará pra um pessoa construir em cima do morro do feres, e ela não podia ter sido construída, porem a pessoa que a construiu era da suser na época então ela conseguiu e ate temos documentos que provam que isso foi avisado antes de começar, por favor nos de uma ajuda, a prefeitura não fez nada ate agora, a não ser mandar uma pessoa "geólogo" pra nos dizer o que já sabíamos, que iria cair tudo, entre em contato por favor!

O COMEÇO DO QUE JÁ ACABOU.



HOJE COMEÇA A 'FESTA'.

O Governo Inês Pandeló, do PT, em Barra Mansa fui muito infeliz. Isso não carece nem ser mais repetido. Porém, algumas ações tiveram extrema valia e grandeza de objetivos. A FLUMISUL foi uma delas. Criada como uma Feira INTERNACIONAL de Negócios, a FLUMISUL conseguiu despertar a atenção da região e do Brasil pela ousadia e ineditismo numa cidade já desacreditada no cenário empresarial. Durante alguns anos a FLUMISUL esboçou vir a ser um dia o que pretendia ser. Delegações de outros estados e países, inclusive da Ásia, conheceram a nossa cidade e as suas potencialidades.

Não demorou para que a FLUMISUL virasse objeto de manuseio de velados interesses politiqueiros e mesquinhos e deu no que deu, a FEIRA INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS virou uma minguada vitrine varejista de quinta categoria. Para dar um toque de crueldade ao falecimento da Feira, agora estrategicamente instalada em frente ao cemitério, os intelectuais pensantes da administração agora inseriram o FUNK nas atividades da festa.
Sei que muitos não vão acreditar mas torço veementemente para que essa feira, criada pela ex-prefeita Inês Pandeló, seja sempre um êxito, independentemente de quem sejam os responsáveis pela sua execução. Lamentavelmente o que vemos agora é nostálgico e pobre. Lembro-me que quando Shane Alan Khane, um simpático e bem relacionado paquistanês, vivo e atuante em nosso município, trazia delegações de embaixadas e consulados europeus e asiáticos para conhecerem a nossa cidade e intermediarem possíveis negócios internacionais. Havia charme na parada. Chegamos a realizar, para esses nobres convivas, no Palácio Barão de Guapy, um “happy hours” no salão principal, onde por determinação do então presidente do poder Legislativo, Ademir Melo, retiramos as cadeiras do plenário e fizemos um saguão que remetia aos épicos tempos palacianos de passado distante. Empresas de fora se instalavam no evento na busca de parceria e desenvolvimento de negócios que, por conseguinte, poderiam resultar em desenvolvimento para a cidade e para a região.
Shane morreu não sem antes conhecer a ingratidão do Pachá de Apiacá, que retirou-lhe do Gabinete do Governo do estado do Rio em Brasília para sujeita-lo à humilhações proferidas pelos invejosos incompetentes colaboradores do Governo do pachá. Com ele, foi morrendo a Feira Internacional de Negócios. Primeiramente deixou de ser Internacional para ser uma mera feira de negócios. E agora nem negócios são mais realizados, só existe uma mísera feira.
Lembro-me da garra e determinação que a ACIAP, presidida brilhantemente pelo Paulo Fernando Monteiro Pinto, ou como o chamam, o Nando do Coimbrão, na titularidade da realização do evento, se desdobrava para criar atrativos para a feira e provar a nossa capacidade organizacional e criatividade. Uma das feiras realizadas no Ilha, idealizadas por ele, teve até uma ponte móvel que cortava o Rio Paraíba do Sul, e interligava o Clube às dependências do SESC, que também abrigou parte do evento.
Foram momentos dos muitos que nos orgulharam e fazíamos imaginar que a feira a cada ano se sobressairia e nos enalteceria. Hoje no sombrio “Parque das Torturas” a feira vem minguando e perdendo os seus fiéis adeptos. A prefeitura e seus asseclas se esforçarão novamente em oferecer sorrisos e discursos inflamados repetitivos e ensaiados aos jornalistas e tentar vender uma imagem de êxito. Não importa quantas pessoas forem, mas as manchetes de segunda-feira, pagas com nosso dinheiro, já tem título: FLUMISUL RECEBE 80 MIL VISITANTES. Cascata pura como tem sido em todos aos anos. Este ano eles conseguiram se sobressair na logística de captação de público. Hoje começa a FLUMISUL, numa terça-feira fira e modorrenta. Se isso não bastasse, a própria prefeitura convida para um recital gratuito no mesmo dia com Ivan Lins e a Orquestra Barramansense em frente à Igreja de São Sebastião. Nunca tem nada nessa joça, e quando miseravelmente fazem algo, fazem concomitantemente. É, a feira vai bombar. Já não bastasse a incompetência do Governo agora ele concorre com si próprio. Parece piada, mas não é. É burrice mesmo, aliada a uma total falta de sensibilidade.
Mas o verdadeiro retrato do atual desenvolvimento econômico de Barra Mansa encontra-se cristalinizado na pessoa do coordenador da FLUMISUL e presidente da SICOMÉRCIO, meu amigo economista e advogado Magno Andrade. Suas incursões comerciais se deram na loja fundada por seu pai, o saudável Zé Caolho, há 63 anos atrás, a lendária ALFAIATARIA UNIÃO. Sabe o que aconteceu com ela mês passado? Fechou as portas após 63 anos ininterruptos de atividades. Nem o próprio Magno acreditou no negócio que fez a riqueza e a educação de toda uma nobra família.
Isso é a cara da realidade atual de Barra Mansa, o resto é factóide e alucinação visionária para enganar otário em ano pré-eleitoral.
Só não me conformo porque ainda batizam a feira como INTERNACIONAL. Seria por causa do Mc PÔKEMON?

MOROSIDADE DA JUSTIÇA



QUEM SE BENEFICIA?

Por: PAULO COSENZA.
Um tema dos mais complexos, esse referente as causas da chamada morosidade da justiça.
Como todos sabem, uma demanda judicial envolve, em regra, um autor e um réu. O primeiro acredita ser detentor de um direito violado e o segundo seria, pela ótica do primeiro, o responsável pela violação. A justiça tem como função principal decidir essa controvérsia.Em outras palavras,quem tem razão, de acordo com a vontade da lei.
Aí surge a primeira situação interessante. Os virtuais vencedores das ações ficam aflitos, com toda razão, porque querem a imediata recuperação de seu patrimônio . Por outro lado, os virtuais vencidos, devedores da obrigação, se rebelam: ou porque acreditam que tem razão e a justiça errou; ou porque desejam adiar o quanto possível o pagamento; ou a prisão, na hipótese de crime.
Em resumo, cerca de metade dos usuários da justiça clamam por agilidade, enquanto a outra metade, nem tanto.
Evidente que esse conflito, entre os que desejam celeridade e os que, naquela situação, preferem a morosidade, tem influencia na estrutura física, organizacional e processual do Poder Judiciário.
Aí você pergunta: como assim? eu, resumidamente, vou tentar explicar apenas uma dessas inúmeras concausas.
O Poder Público é o maior réu no judiciário. Seja pela quantidade de demandas, seja qualidade e volume de recursos financeiros envolvidos nelas.
Existem outros réus de considerável volume de demandas, tais como: as operadoras de telefonia celular; os bancos; os planos de saúde; e outros, mas vamos ficar apenas nos campeões de audiências, sem trocadilho.
As ações judiciais contra a União, os Estados e Municípios e suas autarquias possuem regras processuais muito vantajosas, porque seus prazos são maiores para o exercício da defesa, como por exemplo:

a) em quádruplo para contestar as ações; e
b) em dobro para recorrer.

Além dessas vantagens nos prazos, quando o Poder Público é condenado na primeira instância ao pagamento de valor, mesmo que não recorra, a lei obriga um recurso de apelação obrigatório.
Após o julgamento pelo Tribunal local, na maioria das vezes, com a mesma elasticidade de prazos, o Poder Público recorre para os Tribunais Superiores (Brasília).
Percorrida essa verdadeira "Via Crucis", aí começa tudo de novo, através de um processo de execução contra a Fazenda Pública, nos termos do artigo 730 do Código de Processo Civil. Essa execução poderá ser embargada e ai, nova "Via Crucis", com recursos e prazos aumentados.Ufa!
Bom agora chega, ganhei a causa, vou receber meus direitos. Ledo engano. Começa uma outra caminhada, a do precatório. O Poder Público paga suas dívidas judiciais através desse instrumento, que mais não é do que uma lista de credores, ordenada por antiguidade, que precisa ser incluída no orçamento do ente, através de lei. E tomem prazos.
Não é nada fácil litigar com o Poder Público.
Daí a necessidade de um debate sério, para se buscar alguns mecanismos processuais que minimizem esses caminhos, buscando a chamada efetividade das decisões, em proteção da cidadania contra o poder do Poder Público.

PAULO COSENZA

TREM BALA - POR JOSÉ SERRA.

Colaboração: Ricardo Maciel.

Oi julinho, saude !
Lembra-se de quando eu falava da canalhice do TREM BALA?
Pois é, a gente até brincava que era o TREM BALA PERDIDA no Café no bule !
Deu no que deu.
Agora, no site do Dr. Serra, a gente pode acompanhar vários artigos escritos por ele, este do trem, eu, pessoalmente considero uma "obra prima" e foi publicado no Estadão semana passada.
Abraço do Ricardo Maciel.

O projeto do Trem de Alta Velocidade (TAV) entre São Paulo e Rio de Janeiro, o trem-bala, poderia ser usado em cursos de administração pública como exemplo do que não se deve fazer. Foram cometidos vários erros básicos nos estudos preliminares – parecem deliberados de tão óbvios. Em primeiro lugar, foi superestimada a demanda de passageiros – e, portanto, a receita futura da operação da linha – em pelo menos 30%.
Além disso, o TAV não custaria R$ 33 bilhões, como dizem, e sim mais de R$ 60 bilhões. Isso porque não incluíram reservas de contingência, não levaram em conta os subsídios fiscais e subestimaram os custos das obras, como os 100 km de túneis, cujo custo foi equiparado aos urbanos. Esqueceram que os túneis para os TAVs são bem mais complexos, dada a velocidade de 340 km por hora dos trens; além disso, longe das cidades, não contam com a infra-estrutura necessária, como a rede elétrica, por exemplo.
Foram ignoradas também as intervenções necessárias para o acesso às estações do trem, caríssimas e não incluídas naqueles R$ 60 bilhões. Imagine-se o preço das obras viárias para o acesso dos passageiros que fossem das zonas Sul, Leste e Oeste de São Paulo até o Campo de Marte!
O último leilão do TAV fracassou não porque os empresários privados não gostem de receber subsídios ou que o governo do PT seja refratário a concedê-los. Pelo contrário! Até os Correios e os Fundos de Pensão de estatais podem ser jogados na aventura. Ocorre que o projeto é tão ruim que o ponto de convergência tornou-se móvel: afasta-se a cada vez que parece estar próximo.
Apesar de tudo, o governo vai insistir, anunciando agora duas licitações: uma para quem vai pôr o material rodante, operar a linha e fazer o projeto executivo da segunda licitação, na qual, por sua vez, se escolheria o construtor da infra-estrutura. Este seria remunerado pelo aluguel da obra concluída, cujo inquilino seria a empresa operadora, bem como pelo rendimento da outorga que essa empresa pagou para vencer a primeira licitação. Entenderam? Não se preocupem. Trata-se de uma abstrusa mistificação para, de duas uma: encobrir o pagamento de toda a aventura pelos contribuintes ou fazer espuma para que o governo tire o time sem dizer que desistiu.
A alucinação que cerca o projeto do TAV fica mais evidente quando se pensa a questão da prioridade. Imaginemos que pudessem ser mobilizados recursos da ordem de R$ 60 bilhões para investimentos ferroviários no Brasil.
Que coisas poderiam ser feitas com esse dinheiro? Na área de transportes de passageiros, R$ 25 bilhões de novos investimentos em metrô e trens urbanos, beneficiando mais de três milhões de pessoas por dia útil em todo o país: Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte, Rio, Goiânia, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza… Sabem quantas o trem-bala transportaria por dia? Cerca de 125 mil, numa hipótese, digamos, eufórica.
Na área de transportes ferroviários de carga, os novos investimentos atingiriam R$ 35 bilhões, atendendo à demanda interna e ao comércio exterior, conectando os maiores portos do País com os fluxos de produção, aumentando o emprego e diminuindo o custo Brasil. Entre outras linhas novas, que já contam com projetos, poderiam ser construídas a conexão transnordestina (Aguiarnópolis a Eliseu Martins); a ferrovia Oeste-Leste (Figueirópolis a Ilhéus); a Centro-Oeste (Vilhena a Uruaçu); o trecho da Norte-Sul de Açailândia a Barcarena, Porto Murtinho a Estrela do Oeste; o Ferroanel de SP; o corredor bioceânico ligando Maracajú-Cascavel; Chapecó-Itajaí etc. Tudo para transporte de soja, farelo de soja, milho, minério de ferro, gesso, fertilizantes, combustíveis, álcool etc. É bom esclarecer: o trem-bala não transporta carga.
Além de ter sido vendido na campanha eleitoral como algo “avançado”, o TAV foi apresentado como se o dinheiro e os riscos fossem de responsabilidade privada. Alguém acredita nisso hoje?
Inicialmente, segundo o governo, os recursos privados diretos não cobririam mais de 20% da execução do projeto. E isso naquela hipótese ilusória de R$ 33 bilhões de custo. Outros 10% sairiam do Tesouro Nacional, e 70%, do BNDES, que emprestaria ao setor privado, na forma do conhecido subsídio: o Tesouro pega dinheiro a mais de 12% anuais, empresta ao BNDES a 6%, e a diferença é paga pelos contribuintes. Com estouro de prazos e custos, sem demanda suficiente de passageiros, quem vocês acham que ficaria com o mico da dívida e dos subsídios à tarifa? Nosso povo, evidentemente, por meio do Tesouro, que perdoaria o BNDES e bancaria o custeio do trem.
Há outras duas justificativas para a alucinação ferroviária: os ganhos tecnológicos e ambientais! A história da tecnologia é tão absurda que lembra os camponeses do escritor inglês Charles Lamb (num conto sobre as origens do churrasco), que aprenderam a pôr fogo na casa para assar o leitão. Gastar dezenas de bilhões num projeto ruim só para aprender a implantar e a fazer funcionar um trem-bala desatinado? Quanto vale isso? Por que não aprender mais tecnologia de metrô e trens de carga? Quanto ao ganho ambiental, onde é que já se viu? Como lembrou Alberto Goldman, a saturação de CO² se dá nas regiões metropolitanas, que precisam de menos ônibus e caminhões e de mais trens, não no trajeto Rio-SP.
O projeto do trem-bala é o pior da nossa história, dada a relação custo-benefício. Como é possível que tenha sido concebido e seja defendido pela principal autoridade responsável pela condução do país? Eis aí um tema fascinante para a sociologia e a psicologia do conhecimento.
PS – A região do projeto do trem-bala em que há potencial maior de passageiros é a de Campinas (SP) e Vale do Paraíba, que poderia perfeitamente receber uma moderna linha de trem expresso, com custo várias vezes menor e justificativa econômica bem maior, especialmente se ocorrer a necessária expansão do aeroporto de Viracopos.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

NÃO SE TRATA DE UM DIREITO, É APENAS UM DEVER.



CONSTRUÍNDO SONHOS OU DESTRUÍNDO DIREITOS?

Já reportei aqui diversas vezes que minha vivência perto ou dentro do Poder legislativo me faz compreender perfeitamente que é muito difícil para qualquer vereador no Brasil, fazer oposição ao prefeito de sua cidade. O povo, na maior parte inculto, desconhece ou prefere desconhecer que o papel primordial do vereador é fiscalizar e legislar e cobra deles ações diretas para suas comunidades ou para si próprios. Por conseguinte, o vereador para poder atender a demanda da expectativa de seu eleitorado precisa estar alinhado com o Executivo, poder que detém o controle absoluto da máquina pública, e assim sendo, fazer oposição é um alto risco eleitoral. Quase um suicídio político. Mas tudo tem limites.
Não precisa o vereador de situação querer impedir que colegas exerçam o seu mistér na ampla compreensão do cargo legislativo. Qualquer cidadão de Barra Mansa quando toma ciência que a prefeitura da cidade repassa, TODO MÊS, R$369.000,00 para o Ong Construíndo Sonhos para a condução do Projeto Música nas Escolas, fica aturdido. Fica ainda mais perplexo, quando soma-se à isto, o fato que a prefeitura, fora essa montanha de dinheiro, ainda compra instrumentos caríssimos quase todo mês para o projeto. Fica louco quando descobre que além disso, todos os “professores-músicos” altamente remunerados e contratados sem licitação do projeto, recebem seus vencimentos à parte, pagos pela prefeitura. Fica suicida quando descobre que a prefeitura ainda banca transportes, viagens, hospedagens, lonas, palcos, som, luz, iluminação, cachês de apresentações especiais (caríssimos), sem mexer naqueles R$369.000,00 iniciais. E se contorce de dor e de indignação quando sabe que além disso tudo o projeto e a bendita orquestra ainda contam com os patrocínios financeiros da Light, da Votorantim, da Saint-Gobain, do Governo do Estado e da White Martins. Na cabeça de qualquer eleitor-cidadão-contribuinte fica a dúvida generalizada de onde é gasto os famigerados R$369.000,00 MENSAIS ‘DOADOS” para a ONG CONTRUÍNDO SONHOS. Gente, São quase quatro milhões e meio de reais por ano. Em quatro anos chega-se a uma belíssima mega-sena acumulada: quase DEZOITO MILHÕES DE REAIS.
Municiado de tantas dúvidas até hoje não sinalizadas com nenhum gesto explicativo ou resposta plausível, o vereador Marcelo Borges, adentrou, seguindo os ditames da Lei Orgânica do Município em consonância com o Regimento Interno do Poder Legislativo, com um simples, constitucional, regimental, ético, legal, justo, adequado e indispensável Requerimento de Pedido de Informação ao Prefeito Zé Renato sobre esse repasse e a demonstração da liquidação das despesas.
Mas, infelizmente, a pressão do executivo, que só é obrigado a responder o requerimento se o mesmo for aprovado por maioria simples no plenário do legislativo, e acuado por saber que não se explica o inexplicável, faz os vereadores votarem CONTRA um simples pedido de informação de um vereador que nesse caso, está apenas exercendo o seu direito, digo mais, o seu dever, pois municiado de tantas dúvidas não exigir esclarecimento, cheira fétidamente à prevaricação.
Caros vereadores, companheiros que respeito em quase maioria absoluta, é a nossa vez de falar:

DEIXEM O HOMEM TRABALHAR, pombas...

UMA NOVA FLUMISUL. COMO ELES ESTÃO CUIDANDO DA CIDADE E DE VOCÊ.



ALGUMAS DÚVIDAS E UMA GRANDE CERTEZA...FUCK YOU.

Na campanha passada em Barra Mansa, um dos boatos usados pela turma do BEM para afastar o eleitorado mais tradicional de Ademir Melo, era afirmar que ele faria total liberação para a realização de bailes funk nos clubes e nas ruas da cidade, e assim o tráfico faria a festa, etc, etc...
Para sermos fiéis à verdade, reconhecemos que a prefeitura podia usar essa bandeira, haja vista a total perseguição empregada pelo BEM contra locais e promotores desse tipo de eventos, o que depois deixou de ser um privilégio dos funkeiros, pois todos os empresários da cidade ficaram engessados para realizar eventos de qualquer porte, face ao sem-número de exigências legais impostas pela Prefeitura, que para isso, utilizou de todos os artifícios possíveis. Hoje, nem mesmo bares que há décadas realizavam música ao vivo, não podem mais oferecer esse serviço à sua clientela, vide o caso do Gaia Grill.

Quero reafirmar que particularmente não gosto de funk, e os amigos podem perceber que não realizo eventos neste segmento seja aqui ou em qualquer lugar. Mas isso não me dá o direito de impedir dos seus apreciadores usufruírem do que lhes é conveniente e agradável. Isso é democracia e respeito à liberdade de expressão. O que me incomoda é o som alto dos carros particulares nas ruas residenciais, mas seja o ritmo que for, é um saco e desrespeito da mesma forma, só que na maioria dos casos, o ritmo preferido pelos usuários dessa prática animal é o funk, o que também não nos dá o direito de rotular todos os seus fãs no mesmo patamar.
Falo isso porque a prefeitura atingiu agora o ápice da sua hipocrisia e incoerência. Recebi das mãos do vereador Marcelo Borges, um cartaz da PMBM, fazendo a divulgação da “THE WEST”, uma Boate Itinerante que será implantada no Parque da Cidade, durante a realização da FLUMISUL.
As atrações do boate para os dias 29 e 30, são os DJS POKÊMON E CABIDE, conhecidos executores de FUNK nas suas mais contundentes versões. E para maior descalabro, oferece-se para o “cliente” uma DOSE DUPLA de VODKA + ENERGÉTICO.
Não bastasse o assassinato de um trabalhador de 21 anos, estrategicamente abafada pela mídia, ocorrida no interior do Parque durante o carnaval de Barra Mansa, e que está sendo alvo de processo movido pela família da vítima contra a ACIAP-BM, nomeada pela Prefeitura como organizadora oficial do evento; não bastassem os adolescentes alcoolizados ou drogados, visivelmente perceptíveis em todas as festas no parque das Torturas, agora a Prefeitura não satisfeita promove o FUNK que ela tanto discriminou e ainda oferece uma dose dupla de álcool com energético.
Para o BEM, qualquer discurso proferido é efêmero como as obras que elas fazem: dispersam-se no vento.
Agora vão dizer que o FUNK do BEM, pode. O Álcool do BEM, pode. A droga do BEM, pode. A briga do BEM, pode. O Assassinato do BEM, pode. Esse é o fruto da impunidade após tantos crimes contra a cidade: Eles concluíram que o CRIME DO BEM COMPENSA.
O vereador Marcelo está tentando perante a justiça, mandado de segurança contra à boate.
Baseado nos argumentos apresentados por eles nas campanhas eleitorais, fico com as seguintes dúvidas:

Será que os “empresários” de “negócios” vão se jogar nas pistas do Funk e assim melhorar a imagem comercial e industrial da cidade?

É o público do funk que a FLUMISUL pretende agregar para seus negócios?
Será que a FLUMISUL vai ser de fato uma FEIRA INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS? Colômbia? Paraguai? Bolívia?

Mas também fico com uma grande certeza:
A FLUMISUL virou uma grande mentira. Assim como é o governo municipal. Assim como é o BEM.

Sugiro novo slogan para o BEM e a FLUMISUL:

AFUNDANDO COM A CIDADE. FUCK YOU.

A FOGUEIRA DE SÃO JOÃO DA BARRA MANSA.

ONDE QUEIMOU NOSSO DINHEIRO NA FESTA JUNINA DA PMBM.
Mais um balancete da prefeitura de Barra Mansa nos chega em mãos e mais uma vez percebemos que o "modus operandi" da administração continua irretocável. O prefeito continua ladrando, ladrando, mas tudo continua na mesma e nossa cidade minguando e seu povo indo no vácuo. Mais uma vez é imprescindível ressaltar que os números apontados referem-se tão somente aos pagamentos efetuados no mês de junho de 2.011, somente pela prefeitura de Barra Mansa, sem contar com suas autarquias e fundações que repetem sistematicamente o mesmo ritual, portanto, é bom frisar que tais números na realidade são ainda mais expressivos.
O festival de gastos com empresas instaladas fora da cidade continua e percebemos, sem soprar vento na fogueira, fortunas para empresas de fora, onde destacam-se as paulistas CIA. BRAS. SE SOLUÇÕES E SERVIÇOS (SP), fora as Investiplan (Rio), Tiplan (Rio), Rodoplex (SP), Sheikna (SP), Dairy Partness (SP), Grupo CIAP (MG), 7 Lan (Rio), Conservadora Cidade do Aço (VR), JMS Construções (AM), RPS Rios (MG), Mar-Mi-Mar (Rio), RB NEWS (SP)(a que realiza os trackins diários usados para avaliações políticas e mensagenzinhas políticas ilegais do prefeito e seus asseclas com o nosso dinheiro) e por aí afora, a fora mesmo. Esse mês as novidades no cartel foram a RJ DEVINO COMÉRCIO DE TELAS (VR), REAL CONNECTION (SP), D3JF EMPREENDIMENTOS (MG), MCR GUIMARÃES (B.PIRAÍ), JP PESSOA COMÉRCIO E SERVIÇOS (SP), TSW COMÉRCIO DE MÓVEIS(SP), VR COMÉRCIO DE CALÇADOS (VR), entre outras com valores contemplados menos expressivos.
O Barra Mansa Futebol Clube ganhou mais R$100.000,00 para ficar atualmente em sétimo lugar na série B e há muito, matematicamente, sem chance alguma de cumprir a meta de atingir a elite do futebol carioca.
A ONG CONSTRUINDO SONHOS ganhou sua rica mesada R$369.000,00, e isso será mencionado em próxima postagem específica. Mas além disso, para o tal projeto, foram comprados ainda mais instrumentos, ao custo de R$14.000 para a Roriz, de Goiânia (GO) e outros R$12.000,00 com a Casa da Música (VR).
A Ass. de Produtores Rurais de Santa Rita ganhou mais R$12.800,00 e mais R$86.000,00 foram pagos para transporte de privilegiados para as empresas Angá, Transmargoo, ElShaday e Transalegrense.
Para suas "propagandas" de péssimo gosto, alucinógenas, mentirosas e vocacionalmente alienadoras, a prefeitura pagou R$44.000,00 em rádios (Feres e Peninha), outros R$42.000,00 em jornais, e R$8.000 em painéis.


O destaque deste mês é que mesmo nomeado para uma autarquia estadual, onde ganha uma baba, e sem mais vínculo nenhum com a PMBM desde muito (vínculo documental, pois trabalho há muito mais não se via), uma pessoa querida da administração recebeu mais uma verda de R$4.510,48 através do processo 4166/2011. Ele atende oficialmente pelo nome de Roosevelt Brasil Fonseca, que mais uma vez honra o pseudônimo sugerido pelo Blog: O Pachá de Apiacá.

Se você é contribuinte, deve estar sentindo o calor da fogueira queimando o fiofó. Pula, gente. Ou vamos sentar no braseiro?

CONVITE.





MOSTRANDO A CARA.

Bastou Dr. Paulo Cosenza escrever um artigo despretencioso no nosso Blog, que a administração ficou em polvorosa e o ti-ti-ti descambou para todos os níveis. Como o nosso lema é "Polêmico, mas sem medo de ser feliz" e eu gosto ver o circo pegar fogo (principalmente um circo com lonas podres e picadeiro corroído), convidei Dr. Paulo a escrever um artigo semanal sobre temas diversos aqui no Blog, todas as segundas-feiras. A experiência de vida e a sensibilidade aguçada que um Magistrado adquire às vésperas do encerramento de sua carreira jurídica, são essenciais para uma sociedade, espeicialmente numa cidade onde o que mais se carece é Justiça Social.

Não sei se ele vai aceitar nosso convite, mas fiz a minha parte. Não sou a Rede Globo, mas quem não gosta de uma audiência? Esclarecendo: Não audiência com o Juiz Paulo Cosenza (trocadilho...bobo, né?), mas com o amigo que já demonstrou estar a disposição para colaborar, em que circustância for, para a retomada do nosso desenvolvimento e o resgate da nossa esperança.

Seria bom que todo mundo botasse a cara na retaa e defendesse seus pontos de vista assumidamente e não ficasse respondendo fatos com fofoquinhas de anônimos covardes e paus-mandados. Barra Mansa precisa de transparência e personalidade, e essa corja acha que vai ficar a vida toda se escondendo sob um falso manto do "BEM", precisa ficar ciente que um dia vai ter que botar a bunda na janela para a gente passar a mão nela.


P.S.: (23/07/2011 - 15:30 H.)

JÁ ENCONTRA-SE, ENTRE OS COMENTÁRIOS DESTA POSTAGEM, A RESPOSTA AO NOSSO CONVITE. VALE A PENA LER, POIS É MUITO ESCLARECEDORA.

ABUNDÂNCIAS EM CLOSE.




UMA CIDADE DE BUNDÕES.

Quanto custa uma câmera fotográfica digital? Os preços variam muito. Tem de R$200,00 até R$100.000,00. Deve ser uma dessas últimas que a prefeitura alugou. No informativo NOTÍCIA OFICIAL, o Boletim Informativo da Prefeitura de Barra Mansa, percebemos que foi alugado pelo período de 10(dez) meses uma câmera fotográfica digital pelo valor de R$7.780,00. A favorecida é a Sra. Maria Aparecida Silva de Paula. Não sei qual foi a câmera alugada, mas a potencia dela deve ser tão grande que enxerga até as obras que o prefeito anunciou e ninguém viu.

Outro contrato prorrodado foi com a empresa Paula de Resende Automóveis para locação de veículos para a secretaria de administração. Valor? Uma merreca. Apenas R$254.695,80.

A Rodoplex de Bananal também teve o seu contratinho prorrogado. Apenas mais R$480.926,40. Mixaria para fora da cidade assim como a prorrogação do contrato com a RPS Rios, custando mais uma ninharia de R$399.984,00. Esmolas que Barra Mansa dá para forasteiros para o devido equilíbrio econômico nacional e a devida distribuição de renda, afinal, nossa cidade é rica e abundante. Muito abundante. Cheia de bundões que batem palma para esses malucos dançarem e rirem da cara do povo. Tudo devidamente fotografado.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

PASSO À PASSO.



Sem mais delongas, quero agradecer a todos os colaboradores que fizeram nosso Blog alcançar a marca de


acessos.

Que essa parceria perdure enquanto estivermos produzindo juntos algo que valha a pena apostar e viver.

Mais uma vez,

MUITO OBRIGADO.


P.S: O gráfico acima foi colocado "a posteriori", retirado da administradora do nosso Blog, com os registros do Blog mês a mês. Cabem quatro registros: 1) O Blog está com o gráfico em descenso face a estarmos ainda no dia 23 e ele fechará o mês dia 31. 2) Nosso Blog começou em outubro de 2009, e a contagem do administrador deu-se início em abril de 2010 e fora esses seis meses contabilizaram 320.000 acessos, ou seja, se eu quisesse inventar poderia chutar uns 400.000 que seria lógico, porém não gosto de enganar os outros, muito menos a mim próprio. 3) Só estou colocando isso pois publicarei um comentário idiota de um imbecil que diz que nos auditou e nosso blog só tem 78 acessos diários. Inveja é uma merda.

OPERAÇÃO SORRISO. VIVA A ESPERANÇA.


Tem certas notícias que são tão prazerosas de publicar que a gente reaquece nossa fé ha humanidade.

Cirurgias gratuitas de lábio leporino e fenda palatina, nos dias 6 e 7 de agosto, no hospital do Fundão. E eles aida dispõem de alojamento para paciente e acompanhante. Quem tiver conhecimento de alguma criança que precise de uma cirurgia de recuperação labial, por favor, corra atrás dos responsáveis por ela e comuniquem. O cartaz acima expõe os detalhes.

Agradecemos o amigo Marcial que foi o anjo anunciador dessa boa nova para os amigos do Blog do Julinho.

NÃO VAI SER POR FALTA DE ROUPA NOVA QUE VOCE VAI PASSAR O FERRO NA VELHA.



CONFIRMADO.

Numa inédita parceria PROSOM EVENTOS X JULINHO ESTEVES X MAURO MEDEIROS X PORÃO HALL, dia 17 de setembro realizaremos o show "ROUPA NOVA 30 ANOS". Um show certo num lugar adequado, mas atenção: Não haverão mesas à venda. Quem quiser um pouco mais de conforto do que as àreas Vips e a PISTA, favor reservar seu camarote empresarial. Somente 14 serão disponibilizados. Semana que vem mais detalhes.

PEQUENA PAUSA.

Alô galera,

Hoje o dia está corrido: Fechamento de parceria para o show do Roupa Nova. CONFIRMADÍSSIMO.

Não deixem de acessar o Blog amanhã.

MUITAS NOVIDADES.

ABRAÇOS.

HISTORINHA BITOLADA.



TRANSCRITO DO SITE ESTAÇÃO BM.
Por Figurótico*
Carrego diariamente duas vidas: acordada e dormindo, ambas permeadas por sonhos – vez por outra pesadelos, como o de hoje. Sonhei que tinha de atravessar um obstáculo que atravesso desde os quatro anos de idade: a linha do trem. Porém não posso mais pular o trem como fazia, como sempre fiz. Depois de seis parafusos na coluna, não me arrisco com esse tipo de aventura. E, claro, meus sonhos são atualizados no ritmo de minha vida real, pois nele eu sabia que tinha os parafusos.
Mesmo com pressa pergunto ao funcionário – não sei se da FCA ou MRS (bitola larga ou bitola estreita), na minha época de menino era R.F.F.S.A. (famosa REDE) – por onde eu perderia menos tempo atravessando, se pelo lado da prefeitura ou pelo lado do Parque Centenário, pois eram três trens se mesclando uns aos outros, e a visão não alcançava onde acabavam. Ele me diz que a melhor opção, devido às obras de remoção do pátio, é melhor eu atravessar pelo viaduto da prefeitura. Sigo pelo viaduto, na passarela ao lado, subindo pela Várzea da Oficina e tentando chegar à cidade. (Se você mora num local e diz que tem de ir à cidade, você mora no interior, certo?).
Vou iniciando a travessia e na curva me deparo com as “obras de remoção do pátio de manobras” (a frase mais irritante da história de Barra Mansa). De repente na passarela não há chão, concreto; há madeiras simbolizando degraus que se separam por centímetros. Há de se abrir muito a perna para que se chegue ao próximo degrau. As dificuldades só aumentam, pois agora este local está completamente lotado e não há controle por guardas de trânsito, como se o sinal tivesse sido aberto. Outro fato comum à Barra Mansa, não? Quem nunca tentou chegar em casa e, espantado, avista uma rua interditada para alguma festinha junina, ou coisa parecida sem que lá trás não haja nada indicando que esta estaria interditada e nem mesmo um guardinha municipal orientando o tráfego. Geralmente é algum político fazendo uma “graça” à comunidade local. Colocam-se umas cadeiras na rua e pronto. “Ah-há, uh-hú, a avenida é nossa!”.
No sonho, a obra que faziam era pra chegar um pouco para o lado a passarela anexa ao viaduto, para ceder espaço às imensas avenidas que nos mostram as maquetes eletrônicas da publicidade local. Algo muito parecido com obras do Pan, da Copa e das Olimpíadas. Reforma do Maracanã para o Pan, pouco depois reforma para as exigências da FIFA. A diferença entre Pan, Copa e Olimpíadas para nossa Barra Mansa, é que aqui não há um dead line, um prazo final, do tipo: PÁTIO DE MANOBRAS 2020. Não temos esse numeral. Ouço desde a infância isso, continuo ouvindo e nada mudou.
As placas publicitárias dizem que as obras começaram pra lá não sei de onde, e que estão de vento em polpa. Com toda a sinceridade: já ouvi tanto isso que já nem quero que o pátio vá mais embora. Deixem-no ali. Deixem aquele sinal ao lado da Preguiça funcionar 15 segundos no verde e dali abre-se o caos. Pedestres, carros, disputando o tempo mínimo de travessia no mesmo espaço. A multidão atrasada que esperou o trem passar a vida inteira.
E na passarela onírica eu tentei, tentei chegar embaixo a salvo. Obviamente eu não consegui, o sonho acabou repentinamente, abrupto. Sentia o cheiro das pessoas de tantas que eram, tentando pular de madeira em madeira sem ordem, todas amedrontadas, fazendo um esforço imenso apenas para chegar à “cidade”. Lascas caíam ao chão; cimento mole escorria pelos cantos; moças gritavam: “só Barra Mansa ‘mermo’!”, “oh, cidadezinha!”. Outras riam: “ehhh, fulano, não vai dar tempo hein?! Vai perder o serviço!”. Até que por fim o sonho acabou e eu acordei mal, com raiva do mundo e, principalmente, dessa cidade.

*Figurótico pensa que: se o trem é "bão", por que o Xô"?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

UMA GOTA DE PERFUME.



HÁ ALGO NOVO NO AR DE BARRA MANSA.

Eu entendo muito pouco de previdência social. E como não costumo dar pitaco em assuntos que não domino, passo batido na discussão. Mas tem algumas coisinhas que entendo bem. Uma delas é a percepção do incômodo político, e isso eu captei facilmente na matéria postada sobre o assunto previdenciário de autoria do Dr. Paulo Cosenza. Ele, na qualidade de Magistrado e conhecedor profundo do Judiciário, dissertou sobre um tema que a princípio me levou a crer que não despertaria grande debate no Blog. Ledo engano. O povo do “BEM”, ressabiado, levou a conversa para a questão político-partidária-administrativa municipal.

Como diz o clichê: acusaram o golpe. Fora os comentários que não publiquei, de autoria anônima e gratuitamente ofensiva, percebe-se mesmo nos publicados, um receio enorme que Dr. Paulo venha a causar embaraços políticos para a dinastia que pretendia se perpetuar no poder em Barra Mansa. Até uma militante do PT, apensar de “ine”s”pressiva”, acusou a neura. Percebe-se que os comentários elogiosos foram, na maioria, facilmente identificáveis e as críticas, como sempre, realizadas sob a manta covarde de anonimatos ou pseudônimos aleatórios à personalidade real.

Sempre simpatizei com a possibilidade do Dr. Paulo vir à candidato à prefeito da cidade. Acho até que fui o primeiro a sugerir tal hipótese sem compromisso. Conheço-o bem e testemunho sua tenacidade, capacidade, autoridade e independência, inclusive financeira, requisitos consideráveis para um bom gestor público, mas nunca colocamos o seu nome como uma condição “sine-qua-non” eleitoral, e nem ele próprio foca com essa ótica. Não sabia e ainda não sei se ele terá sucesso neste ramo, mas nunca vitórias fáceis me moveram. As verdadeiras conquistas tem o sabor incomensurável dos grandes desafios e só assim o mundo evoluiu e eliminou diversos tiranos.

Paulo, às vésperas de sua aposentadoria, tem garantido vencimentos confortáveis para ele e sua família durante todo sempre, e na qualidade de seu amigo, preocupo-me com os dissabores que ele possa vivenciar sem a menor necessidade.

Mas uma coisa eu não posso deixar de admitir: Ninguém domina um homem de verdade quando ele tem sonhos e enxerga os anseios na palma da sua mão, e Paulo sempre foi assim em toda a sua trajetória profissional e pessoal.

Muitos desdenharam quando ele sonhou trazer um Fórum de primeiro mundo para Barra Mansa em detrimento de cidades de maior envergadura econômica e habitacional, mas ele, incansável na concepção do projeto, jamais desdenhou de nossas chances e contra as possibilidades e lógicas, realizou sua missão com triplo êxito, pois além dos benefícios para o Poder Judiciário, o Poder Legislativo ganhou uma nova e confortável sede, e a prefeitura, por sua vez, ganhou um espaço nobre para a transferência de sua biblioteca e o Museu da História municipal. A única coisa que não sabíamos era que os administradores locais teriam tanto desprezo e irresponsabilidade perante o Palácio Barão de Guapy, testemunha rica da nossa história, e o largassem às ruínas.

Por fim, parabenizo Paulo pelo despertar de uma esperança na vida dessa cidade. O temor do "BEM" é saber que as táticas usadas contra Ademir Melo na eleição passada, serão inócuas perante a sua vida e seu passado e que mesmo assim, caso teimem em denegri-lo, arcarão com as consequências constitucionais e legais de forma exemplar.

Não sei se a historia terá prosseguimento ou êxito, mas um fato já é consolidado: Há algo novo no ar de Barra Mansa.

FÓRUM SOBRE SEGURANÇA NO TRÂNSITO E MOBILIDADE URBANA

POR RAFAEL FERREIRA.

Boa tarde Júlio.
Sou seguidor do blog que o Srº mantém, e antes de mais nada gostaria de parabeniza-lo pelo excelente trabalho social prestado através do mesmo, e também gostaria de parabenizá-lo pelos ótimos shows que o Srº está produzindo no Porão Hall, como morador de VR que gosta de boa música fico muito contente com os cantores que irão vir, e se minha agenda permitir com certeza irei tanto no show do Beto Guedes quanto do Roupa Nova.
Mas como Consultor Empresarial - Especialista em Trânsito, principalmente em segurança no trânsito e prevenção de acidentes, que labuta nesta área há mais de dezoito anos, estuda o tema trânsito diariamente e principalmente, lê as resoluções CONTRAN também da mesma forma, venho por meio deste dizer que a parte do texto que o Srº publicou referente a renovação da CNH está equivocada.
Essa mensagem que circula pela web desde o começo de 2009 e fala de uma suposta lei que cancelaria a Carteira Nacional de Habilitação após 30 dias do vencimento da mesma e o seu portador teria que refazer todos os exames e testes novamente, e falsa.
A Lei 9503/97 é a que instituiu o nosso atual Código de Transito Brasileiro e determina que o prazo de validade das novas carteiras de habilitação é de cinco anos.
No entanto, esse prazo vale para motoristas com idade inferior a 65 anos. Para os condutores com idade igual ou maior a 65 anos, a renovação deve ser feita a cada três anos, ou em tempo menor se o médico responsável pela avaliação médica assim o determinar.
Existem, sim, casos ou situações excepcionais onde o motorista precisará que realizar novamente todo o processo de habilitação. São elas:
1 – quando o cidadão começa o processo e não o conclui ou é reprovado e não retoma o processo no prazo de um ano
2 – quando condutor é condenado por algum crime de trânsito ou por ter causado acidente grave
Nesses casos, o que estabelece o artigo 160 do Código de Transito Brasileiro combinado com o artigo 1º da Resolução nº 300 do CONTRAN, para voltar a dirigir o motorista terá que se fazer a todos os exames, inclusive de aptidão física, mental e psicológica.
Não existe prazo máximo para a renovação da carteira e o prazo para a renovação da CNH, depois de vencida, é de 30 dias (daí, talvez, a confusão). Quem não renovar a CNH no prazo determinado pela legislação de trânsito estará infringindo o art. 161, do Código de Trânsito Brasileiro. Se o condutor nessa situação for pego em uma fiscalização de trânsito terá sua carteira apreendida, receberá uma multa gravíssima (R$ 191,54), 7 pontos na carteira e a retenção do veículo até a apresentação de um condutor habilitado.
Ou seja, existe um limite de 30 dias para renovação da CNH, mas isso só vale para quem for pego dirigindo com o documento vencido. Passando esse prazo, o condutor pode ser multado além sofrer outras punições. Porém, a tal lei que cancelaria a carteira depois deste prazo e obrigaria o motorista a começar da estaca zero não existe.
O DETRAN do Rio Janeiro inclusive,em sua página na internet, desmente essa história e sugere uma possível explicação para o surgimento desse boato eletrônico.
De acordo com o texto, essa confusão foi criada por causa da Resolução n° 276 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) – de 2008 – que determinava que apenas as carteiras de habilitação antigas, sem foto ou com foto colada, se estivessem vencidas, deveriam ser renovadas ou recadastradas. Caso contrário, os documentos seriam cancelados e seus proprietários teriam que começar o processo de habilitação do zero.
O DETRAN-RJ também diz que o objetivo dessa Resolução era o de acabar com as carteiras antigas, porém, uma deliberação posterior do próprio Contran, suspendeu os efeitos da Resolução n° 276. Ou seja, as PGUs não estão sendo canceladas.
Quanto ao trecho do texto que afirma que o extintor de incêndio deveria ser acondicionado fora do plástico, não há nenhuma legislação ou resolução proibitiva a respeito. O CONTRAN estabeleceu, com a Portaria nº 159, a mudança do extintor BC para o modelo ABC. Essa mesma Portaria obriga também que o cilindro terá a validade de cinco anos e não pode ser recarregado, mas essa parte ainda não entrou em vigor.
A Resolução n° 223 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determina que o extintor de incêndio deve ser instalado, obrigatoriamente, na parte dianteira do veículo, ao alcance do condutor. Na vistoria do DETRAN, são verificados, no extintor, os seguintes itens: indicador de pressão, que não pode estar na faixa vermelha; integridade do lacre; presença da marca de conformidade do Inmetro; prazos da durabilidade e validade do teste hidrostático do extintor de incêndio, que não devem estar vencidos; e aparência geral externa em boas condições (sem ferrugem, amassados ou outros danos). Circular com o extintor fora do plástico é, portanto, uma questão de bom senso, já que o equipamento precisa estar pronto para ser utilizado rapidamente. O extintor não precisa ser, necessariamente, do tipo ABC.
As mudanças descritas em seu texto foram somente para formação de condutores tanto para primeira habilitação, quanto para mudança ou adição de categoria, e esta medida vem de encontro ao determinado pela Resolução 02/09 da ONU que institui que entre os anos de 2011 e 2020 será a Década de Ação pela Segurança Viária, e que todos os países membros da organização terão que implantar medidas para reduzir em 50% os números de vítimas fatais no trânsito.
Inclusive, aproveitando o texto gostaria de trazer a informação que numa parceria minha com a Câmara de Vereadores de Volta Redonda, PMVR e com a Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, frente esta suprapartidaria, composta por diversos deputados federais e senadores da República, estaremos realizando no dia 22/08/11 de 19:00 às 22:30hs no Plenário da Câmara de Vereadores de Volta Redonda o FÓRUM SOBRE SEGURANÇA NO TRÂNSITO E MOBILIDADE URBANA, onde teremos palestras com o Srº Fernando Diniz, Fundador da ONG Transitoamigo, que falará sobre a Violência no Trânsito e suas Consequências, em seguida teremos o Srº Paulo Barenco - Diretor Geral da SUSER-VR falando sobre Mobilidade Urbana - Principais problemas no trânsito de VR e suas possíveis soluções, e como último palestrante teremos o Dep. Federal Hugo Leal, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro e que foi Chefe da Delegação Brasileira que aprovou a referida resolução da ONU, ele falará sobre os planos da OMS e da ONU para combater a violência no trânsito em todo mundo, o que está sendo feito em nosso país e o que a sociedade pode fazer para ajudar nesse combate.
Ao término da última palestra teremos um debate aberto a todos os presentes.
Gostariamos de convidar e contamos com a participação de todos, pois apesar do evento ser em VR, os temas a serem discutidos, Segurança no Trânsito e Prevenção de Acidentes, e de interesse de toda população, haja vista que somos nós que sofremos diariamente com a violência do trânsito. Também se torna importante a participação de moradores de outras cidades da região pois este evento é o primeiro, e dando certo, tentarei obter apoio em outras cidades de nossa região para fazer um fórum deste em cada uma delas.
Sr° Júlio, gostaria de contar com sua honrosa participação, e saber se o Sr° não poderia nos ajudar na divulgação do evento, publicando em seu blog, as informações sobre o referido.
Desde já lhe agradeço imensamente pela atenção.
Att.
Rafael I. Ferreira
Consultor Empresarial - Especialista em Trânsito
Consultoria emTrânsito / Transporte & Gestão de Pessoas
Contato RJ: (24) 9813-4320
Blog: http://transitoecidadaniabr.blogspot.com


CONSELHO DE PAI.

GETÚLIO MARTINI. IN MEMORIAN.


Como hoje é o Dia do amigo, acho válido reproduzir este texto, sobretudo num dia em que acabei de sepultar um homem que indiretamente acabou se transformando num grandioso amigo, o meu padrato Getúlio. Ofereço essa reflexão a todos aqueles que me deram a honra de receber o meu amor, o meu carinho, a minha gratidão por fazerem parte de forma tão intensa em minha vida. Ao meu pai, que receberá meu padrasto com mãos serenas e caridosas no mundo espiritual, agradeço por ter sido o melhor amigo que um dia, qualquer homem poderia merecer.

Amigos!!!
Um jovem recém-casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho..
- Nunca esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes à proporção que você for envelhecendo.. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...
Que estranho conselho, pensou o jovem! Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza, minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo o que necessito para dar sentido à minha vida! Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos. À medida que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava e foi sentindo que os amigos eram os baluartes de sua vida..
Passados mais de 50 anos, eis o que aprendeu:
O Tempo passa.
A vida acontece.
A distância separa.
As crianças crescem.
Os empregos vão e vêem.
O amor fica mais frouxo.
As pessoas não fazem o que deveriam fazer.
O coração se rompe.
Os pais morrem.
Os colegas esquecem os favores.
As carreiras terminam.
Mas..... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estejam entre vocês. Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo a seu favor e esperando você de braços abertos; abençoando sua vida!
Todos nós, quando iniciamos esta aventura chamada vida, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante, nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.

terça-feira, 19 de julho de 2011

UM POUCO DE BETO GUEDES.



Alberto de Castro Guedes nasceu em Montes Claros MG em 13 de Agosto de 1951. É filho de Godofredo Guedes, seresteiro e compositor, que tem músicas gravadas pela cantora portuguesa Eugênia Melo e Castro (a valsa Noite sem luar).
UM VÔO NAS ASAS DE UM TALENTO.
A música e os aviões sempre tiveram muito em comum na vida de Beto Guedes. Quando pegou num instrumento ela primeira vez - aos oito anos, em Montes Claros (MG), sua cidade natal - ele não seria capaz de adivinhar que um dia voaria tão alto na carreira de músico. E nem que conseguiria pisar num avião de verdade - seu medo de voar contrastava com a obsessão por aeromodelismo. O tempo livre de Beto sempre foi dividido entre os aviõezinhos de brinquedo e a paixão pelos instrumentos herdada do pai, Godofredo Guedes, músico e compositor, responsável pela maioria dos bailes e serestas de Montes Claros.
O gosto pela música estava diretamente ligado aos Beatles. Em 1964, aos 12 anos, quando o quarteto de Liverpool já era febre no mundo inteiro, Beto, morando em Belo Horizonte, juntou-se aos vizinhos para formar o grupo, The Bevers (com repertório dedicado aos Beatles, obviamente). Os vizinhos, no caso, eram os irmãos Márcio, Yé e Lô Borges. A Beatlemania durou toda a adolescência e ainda incluiu um outro grupo, Brucutus, que animava festinhas durante as férias em Montes Claros. No final da década, mais amadurecidos, Beto e Lô começaram a compor e participar de festivais. Em 1969, quando foram ao Rio participar do Festival Internacional da Canção com a música "Feira Moderna", bateram na porta do conterrâneo Milton Nascimento. A acolhida de Milton não poderia ter sido mais proveitosa. A amizade e a admiração profissional mútua fizeram com que ele convidasse Beto Guedes para participar do antológico LP "Clube da Esquina", de 1971. Tocando baixo, guitarra, percussão e fazendo vocais, Beto começava a ganhar projeção junto com uma turma talentosa, que incluía nomes como Wagner Tiso, Ronaldo Bastos e Toninho Horta.
A safra de novos músicos mineiros era completada por Flávio Venturini, Sirlan, Vermelho, Tavinho Moura, entre outros, que Beto foi encontrar quando decidiu voltar a BH. As gravadoras passaram a abrir os olhos e em 1973 a Odeon resolveu bancar o LP "Beto Guedes/Danilo Caymmi/Novelli/Toninho Horta". A Beto, coube um quarto do disco. Não era muito, mas para ele, era o suficiente. Perfeccionista e naquela altura ainda muito inseguro, não conseguia acreditar no valor de suas músicas, embora a gravadora já lhe acenasse com ofertas para gravar um disco solo.
Quatro anos foi o tempo necessário para que criasse asas próprias. Em 1977, ele finalmente levantou vôo, a bordo do LP "A Página do Relâmpago Elétrico". O título foi sugestão do parceiro Ronaldo Bastos, depois que este viu no álbum de um colecionador de fotos de aviões da 2ª guerra, uma imagem do avião "Relâmpago Elétrico". Tá na cara que Beto, fanático por aviõezínhos de brinquedo, adorou a sugestão. O disco, que tinha a colaboração de vários amigos mineiros, chamou a atenção por revelar seus dotes como cantor, já que até então, ele era conhecido apenas pela versatilidade de multiinstrumentista. O tímido sucesso das músicas "Lumiar" e "Maria Solidária" foi suficiente para que o disco chegasse às 21 mil cópias vendidas, três vezes mais do que calculava a gravadora.
Mal sabiam eles, que "Lumiar" viraria um dos hinos da juventude cabeluda paz-e-amor e pró-natureza. E que Beto seria um dos ídolos dessa geração, principalmente após o lançamento de seu segundo álbum, "Amor de Índio". A faixa-título, dele e de Ronaldo Bastos, integrava o espírito de todo o disco. Versos como "A abelha fazendo o mel/Vale o tempo em que não vôou" ou "Todo dia é de viver/Para ser o que for/E ser tudo", segundo Beto, expressavam o lado primitivo e puro que ainda havia em cada uma das pessoas, como um canto de louvor à vida.
Quando lançou seu terceiro disco, "Sol de Primavera", em 1980, já tinha uma legião de fãs no eixo Rio-São Paulo. Mas nunca abandonou a mineirice que se tornara sua marca registrada. Botava o pé na estrada - de carro, porque não perdia o medo de voar - , mas continuava morando em Belo Horizonte, onde tinha a tranqüilidade para se dedicar aos brinquedinhos voadores e às novas composições. Era na janela, esperando o anoitecer que as idéias surgiam. E amadureciam tanto, que seus álbuns demoravam no mínimo dois anos para sair. O quinto deles, "Viagem das Mãos", de 1984, foi um marco em sua carreira. Àquela altura, Beto Guedes já era um artista de primeira linha, com vendagens oscilando entre 50 e 60 mil cópias e uma marca sonora registrada. Mas este álbum trazia a canção que, junto com "Amor de Índio", seria o maior sucesso de sua carreira: "Paisagem da Janela", de Lô Borges e Fernando Brant. Ao mesmo tempo, representava o estouro nacional do compositor, que naquele momento superava o medo de voar e, pasmem, já cogitava pilotar um ultraleve construído por ele mesmo!
A viagem de Beto alcançara as alturas, e o ápice acabou sendo "Alma de Borracha", que, lançado em 1986, finalmente lhe rendeu um Disco de Ouro e o reconhecimento no exterior. O título do disco (tradução de "Rubber Soul") homenageava os Beatles, enquanto o repertório trazia uma grata surpresa: a faixa "Objetos Luminosos", primeira parceria com seu mentor e padrinho musical Milton Nascimento. O Rio de Janeiro - cidade onde fez shows antológicos e sempre teve recepção calorosa do público - foi o local escolhido para a gravação de um disco ao vivo, no final de 1987.
Ao todo, foram cinco anos longe dos estúdios. Em 1991, Beto Guedes voltou a gravar. Com a meticulosidade de sempre, ele cuidou de cada detalhe de "Andaluz", seu oitavo disco e último contrato com a EMI-Odeon. Um disco em que o uso de sintetizadores dava um chega pra lá em alguns instrumentos barrocos tão utilizados pelo compositor em trabalhos anteriores. No ano seguinte, era de se esperar que Beto caísse na estrada mais uma vez. Mas ele preferiu trocar o violão pelo macacão de mecânico e passou a dedicar cada vez mais à sua paixão por aviões, só que construindo um monomotor de verdade. Foram mais sete anos restritos a shows esporádicos e muita reflexão.
Até que, lá no alto, sobrevoando os céus de Minas, ele sentiu a sensação de quem venceu o medo de um desafio e se tornou dono de seu próprio destino. Olhou para o futuro e viu, no horizonte infinito, música. Os versos já estão escritos. Mineiramente, Beto Guedes está de volta.
Marcelo Janot - Release Oficial

E tudo isso...essa história...essa voz inconfudível...esse canto mineiro...essa magia...você vai poder curtir dia 03 de setembro na Noite Mineira do PORÃO HALL.

Discografia:
1971 - "Clube da Esquina nº1" - participação
1973 - "Beto Guedes / Novelli / Danilo Caymmi / Toninho Horta"
1975 - LP "Minas": Milton Nascimento - participação
1975 - Compacto com Milton Nascimento: "Caso você queira saber" / "Norwegian Wood"
1977 - "A Página do Relâmpago Elétrico"
1978 - "Amor de Índio"
1979 - "Clube da Esquina nº2" - participação
1980 - "Sol de Primavera"
1981 - "Contos da Lua Vaga"
1983 - "Coletânea - LP Lumiar"
1984 - "Viagem das Mãos"
1986 - "Alma de Borracha"
1991 - "Andaluz"
1998 - "Dias de Paz"
2004 - "Em Algum Lugar"
2005 - "50 Anos - ao vivo"

2010 - "Outros Clássicos".

UM NOVO NASCIMENTO.



FIM DE LUTA.

Primeiramente quero renovar meus agradecimentos a tantos amigos que através do Blog e do Facebook, se dispuseram a ofertar um pouco de seu sangue para a sobrevida de meu padrasto Getúlio Martini.

Getúlio lutou uma luta inglória contra um câncer que há muito já lhe roubava todas as energias vitais. Lutou, lutou, desafiou médicos e laudos, mas enfim, faleceu.

Tenho certeza que meu pai o receberá neste momento e o afortunará em outra dimensão ainda incompreesível para a credulidade humana, mas tenho fé que assim será.

A Getúlio, quando me ouvir ou ler, quero registrar minha gratidão pelo espaço ocupado na vida de minha família, especialmente e particularmente na de minha mãe.

Quando não tínhamos mais esperanças de que tal lacuna fosse preenchida, Getúlio surgiu em nossas vidas com sua generosidade, simpatia, amabilidade entre outros atributos inquestionáveis para todos que tiveram o prazer de desfrutar da sua valorosa existência carnal.

Creio na Justiça Divina e por assim ser, tenho plena convicção que Getúlio terá paz na nova jornada e luz nos novos caminhos. Pela paz que ele nos ofertou e pela luz que ele foi em nossas vidas, tenho certeza que isso ocorrerá.

Lembro do dia em que ele envergonhado marcou um encontro comigo, um desconhecido até então, para pedir consentimento para namorar a minha mãe. Esse era o Getúlio, homem que não existe mais, agora e de fato, literalmente.

Paz, amigo, descanse merecidamente.

Pai, abra os seus braços para este homem que honrosamente Deus colocou para te suceder na vida de minha mãe. Pelo amor que ambos dedicaram a ela, Deus os unirá em comunhão e progresso espiritual.

Amém.



UM OLHAR SOBRE A PREVIDÊNCIA SOCIAL



UM DEBATE NECESSÁRIO

Por Dr. PAULO COSENZA.

O olhar sobre a previdência social, seja dos representantes do povo, seja dos técnicos que a dimensionam sobre a economia, deve ter como premissa principal a grande dívida que o Estado possui com os trabalhadores.
O resgate da saúde financeira das contas da previdência deve considerar o enorme passivo dos contribuintes obrigatórios, além do desequilíbrio decorrente dos processos recessivos, artificialmente provocados, como parte do chamado “controle do processo inflacionário”.
A questão não é meramente contábil ou financeira, ela possui um dramático fator humano. Os governos, quando do perigo da quebra dos bancos não titubearam: criaram um programa de socorro – O PROER. A medida foi criticada por uns e enaltecida por outros, mas visava, correta e primordialmente, salvar a vida financeira dos bancos brasileiros e, logicamente, de seus investidores e correntistas, o que de fato ocorreu.
É verdade que quando a Constituição foi promulgada em 1988, a despesa do INSS correspondia a 2,5 % do PIB, em 1999 já era 5,0%, em 2009 , 7,2% do PIB, quer dizer em 20 anos 03 vezes mais, conforme afirmam os articulistas. No entanto, a pergunta que se deve fazer é a seguinte: Por que só penalizam a previdência pela incompetência gerencial da economia? a população teve sua evolução pelos índices demográficos previstos pelo IBGE, inclusive o de mortalidade, portanto não foi a explosão demográfica a principal responsável pelo avanço percentual, foi a implosão do PIB, relativamente a taxa de crescimento da população ativa e contribuinte, incorretamente dimensionada.
FINALIZANDO, NA PREVIDÊNCIA O QUE ESTÁ EM JOGO É A SOBREVIVÊNCIA, INCLUSIVE A FÍSICA, DAQUELES QUE TRABALHARAM E CONTRIBUÍRAM UMA VIDA INTEIRA E PRECISAM CONTINUAR A VIVER, CONSUMIR E ATÉ POUPAR.

PAULO COSENZA

segunda-feira, 18 de julho de 2011

DESMARCARANDO MAIS UMA MENTIRA.



SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER.

A prefeitura de Barra Mansa através de suas Assessorias tem ido á mídia para informar que o Parecer Prévio CONTRÁRIO à aprovação das Contas do prefeito Zé Renato em 2010 se deu tão somente por divergência de repasse para à Câmara Municipal. Mas uma dissimulação mentirosa. Entre no site do TCE-RJ e verão na primeira linha o acesso ao processo 204672-8/2011. Após a página 56 vejam o número abusivo de irregularidades constatadas, principalmente no manuseio de verbas para a Educação. O acesso é público.


http://www.tce.rj.gov.br/main.​asp?Team=%7BED403E37-0335-45BD​-BCE7-4ABDF15A7506%7D

CONCORDEM OU DISCORDEM, MAS MERECE REFLEXÃO.

AH, SE FOSSEMOS DO PT...
por Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Colaboração: Jefferson Marinho.

Estaríamos inebriados com tantos sucessos.
É o emprego garantido. Se sindicalista, é juntar a fome com a vontade de comer. Se perder a eleição, não se preocupe, temos uma vaguinha para você. É a gloria, o sucesso, sem qualquer mérito, mas quem está preocupado com isso?
Os idiotas abrem as portas para nós atravancarmos e atravancamos. Pequenos percalços, alguns até incentivados por nós, tonteiam a fajuta oposição e obnubilam a visão dos mais críticos.
O MST prossegue impune como entidade sem registro, mas aquinhoada com recursos governamentais, mais adestrado, mais agressivo, conforme os planos.
Reforçamos as dicotomias sociais e recrudescemos as diferenças. Negros, índios, quilombolas, pervertidos sexuais, estudantes, beneficiados com bolsas, maconheiros e bandidos presos ou ainda livres nos adoram.
Pagamos auxilio - reclusão para quem vai preso, mas não para as vítimas. Os defensores dos direitos humanos entram em orgasmo com esta e outras medidas, que consideram compensadoras de seus esforços do tudo pelo social.
Inventamos as cotas, alimentamos raivas, adubamos ódios e fortalecemos as nossas posições. Sem esforço, acuamos a milicada.
Desarmamos todos os homens honestos. Só falta proibir a cusparada em nós, que breve será enquadrada em crime hediondo.
Somos batutas em criar Seminários, Debates e Referendos, que inundamos de cumpanheiros que sufocam os contrários.
Metemos a mão em tudo, como nada fazem, vamos em frente.
Apadrinhamos o trem – bala contra tudo e contra todos.. Soltamos o Batistti, entregamos os exilados cubanos, expulsamos os plantadores de Roraima e abençoamos como família a juntada de dois homens, de duas mulheres, meras amostras de como e de quanto podemos. Decretamos que é proibido beber um copo de cerveja se for dirigir, apesar de já existirem rígidas regras de controle através dos bafômetros, nunca dantes aplicadas. Para os trouxas um tremendo sinal de que o governo está preocupado com a moral e os bons costumes.
Sublimamos o politicamente correto. Mas, matreiramente, decidimos o que é politicamente correto, logo... chamamos de afro - descendentes negros retintos, de incompreendidos sexuais as mais asquerosas bichonas e, carinhosamente, de aloprados a um bando de malfeitores.
Estamos de olho na comunidade maconheira, por isso acenamos a nossa simpatia para a descriminação do produto, é o voto certo da galera.
Na educação o lema é deseducando que se vai ao longe. Nas Escolas, nas Universidades estamos formando novos quadros, jovens cheios de idéias, combativos, dispostos a tudo, inclusive, colher cana em Cuba.
Nos livros, um patrulhamento infame, até Monteiro Lobato foi escrachado. Incentivamos a incerteza sexual das criancinhas. Os desnorteados serão uma presa fácil para cooptação.
Nas artes, viva a sodomia, pois quanto mais promiscuidade melhor.
Nossa gestão de tirar dinheiro de muitos, segurar uma parte para nós e repartir o resto para a comunidade pobre é elogiada mundo a fora. Incentivamos a poupança sabendo que ela rende menos do que a inflação. Patrocinamos com polpudos aportes as ONGs co - irmãs.
O PAC 1 vai de mal a pior, e até criamos o PAC 2, mas o que importa é inaugurar o teleférico das comunidades no Rio de Janeiro. Isto dá IBOPE.
Banalizamos a pratica da negociação malandra, quando nós e os nossos comparsas ganhamos, só a viúva é quem perde, e ninguém reclama.
Aprovamos o Regime Diferenciado de Contratações (viva a Copa), que muito breve deverá ser extensivo às obras do PAC, metemos a mão na Vale do Rio Doce, o BNDES é o nosso caixa dois, elegemos a poste de alta tensão, a Petrobras é do PT e os sindicatos não prestam contas a ninguém.
Enfim, culpamos a sociedade por todas as mazelas, diferenças sociais, atrasos e demais óbices da Nação, por isso, por sua incúria, ela deve pagar com pesados impostos. Daí é só cobrar que a sociedade culpada, paga sem chiar.
Assim, em menos de uma década subvertemos as mente e as consciências. Não há do que reclamar, melhor estraga.
Em cada rincão, temos massas de manobra para com violência sublinhar nossas posições. A Idelli de leão de chácara foi travestida em Miss Simpatia. Mas é disso que povo gosta.
Por tudo, e fácil entender porque nos ufanamos de ser petistas.
Querem mais?

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira